Casamentos Casa & Decor 15 anos

Colunas

Exibindo página 2 de 1650

Navegue como ou

Qual a melhor idade para usar aparelho nos dentes?

A melhor resposta para a melhor idade para usar aparelho nos dentes é a que as mães menos gostam de ouvir...depende! É comum ouvirmos pessoas dizendo que não acreditam em tratamento ortodôntico quando a criança ainda tem dentes de leite. Isso não faz sentido, pois os aparelhos dentários não corrigem apenas a posição dos dentes. Eles intervêm também no crescimento e desenvolvimento dos ossos maxilares e por isso alguns deles são chamados de aparelhos ortopédicos (embora você dificilmente tenha ouvido este nome, a maioria daqueles aparelhos móveis e também alguns dispositivos fixos são assim classificados). Desta forma, se logo cedo alguma alteração for diagnosticada, já há indicação para o uso. Isso pode ocorrer a partir dos 4 ou 5 anos de idade, sendo que a troca de dentes termina somente por volta dos 12 anos. É claro que a indicação também depende da maturidade e aceitação da criança, pois para o uso de qualquer aparelho na infância há a necessidade de colaboração. Estas alterações no tamanho ou proporção dos ossos da face são bastante comuns e geralmente fazem parte de mais uma das heranças que passam de pai para filho. Mas há alguns fatores, como o hábito de chupar dedo ou chupeta por tempo prolongado, como já falamos aqui, a perda de algum dente de leite antes da hora certa, muitas vezes por trauma ou por cárie e, principalmente, problemas respiratórios, que podem também ocasionar estas alterações ósseas.. No entanto, elas podem ser devidamente corrigidas, ou até evitadas, se houver intervenção precoce. Isso acontece porque o osso da criança é...
Leia mais

Meu filho já nasceu com dentinho, e agora?

Talvez algumas mães e outras leitoras já tenham conhecido algum bebê que nasceu com dentinho, ou que os dentinhos nascem logo nas primeiras semanas de vida. Como já falamos em um post anterior, a idade média esperada para o aparecimento dos primeiros dentes de leite, que ficam no arco inferior, é por volta dos 6 meses de idade. Porém, existem alguns casos em que estes já estão presentes no nascimento ou que aparecem antes do primeiro mês de vida do bebê, sendo denominados dentes natais ou neonatais, no segundo caso. Não há muito consenso sobre a causa do dente natal, no entanto a teoria mais bem aceita é a de que o dente começa a se formar numa posição muito superficial lá dentro do osso, predispondo à erupção dentária precoce. Lembrando que este dentinho começa a se formar quando o bebê ainda está na barriga da mãe. Além disso, algumas situações, como a existência de síndromes ou da fissura labial, por exemplo, também estão associadas ao aparecimento do dente natal. Vamos às principais dúvidas sobre o assunto: 1. Estes dentes são os próprios dentes de leite do bebê? Sim, na grande maioria das vezes (95%). Em alguns casos mais raros (5%) podem ser dentes que chamamos de supranumerários, ou seja, dentes a mais que se desenvolveram, estando os dentes da série normal guardadinhos ainda dentro do osso. Só podemos fazer este diagnóstico por meio do exame radiográfico. 2. Existe algum risco para o bebê que nasce com dente? Existe sim, e é por isso que alguns pediatras já indicam...
Leia mais

8 mandamentos da lancheira saudável

Todo ano é a mesma história! As aulas das crianças começam, e com elas o drama de como montar uma lancheira saudável também. Diariamente, em minhas consultas, vejo pais desesperados em não saber que tipo de alimento escolher e como montar uma lancheira saudável, além de ver crianças enjoadas da mesmice dos lanches de cada dia. Tenho certeza que com você, querido leitor, não é diferente. Foi pensando nisso que eu, a pedido da minha querida Constance Zahn, resolvi escrever uma série com 4 matérias (um cursinho básico) que vai desde a escolha dos alimentos, melhores utensílios, conservação, dicas e cardápio para que você possa se tornar um expert em lanches infantis. Gostaria de receber o título de expert em lancheiras infantil? Então, mãos à obra!!! MÓDULO 1: FAZENDO BOAS ESCOLHAS Com a correria do dia-a-dia nem sempre dá tempo para preparar lanches saudáveis e nutritivos para as crianças comerem na escola. Sem falar que a criatividade se esgota e a mesmice começa a fazer parte da lancheira. Se você está passando por esse tipo de situação. Não se preocupe, você é um entre milhões de pais e mães que se encontram na mesma situação. Um passo de cada vez: o exemplo vem de casa Os lanches, também chamados de refeições intermediárias, são de extrema importância para o desenvolvimento e crescimento das crianças. Se ela ficar muito tempo sem se alimentar entre as refeições, ou não se alimentar de uma maneira correta, poderá ficar cansada, perder peso e até sentir tontura. Por isso, um lanche saudável se torna imprescindível. E quanto mais...
Leia mais

Receita: Barrinha de cereal

Ingredientes: - 1/2 xícara (chá) de açúcar - 2 colheres (sopa) de mel - 2 colheres (sopa)de manteiga - 1 xícara (chá) de floco crocante - 1/2 xícara (chá) de aveia em flocos - 1/2 xícara (chá) de nozes picadas grosseiramente - 10 castanhas-do-pará médias e picadas grosseiramente - 1/2 xícara (chá) de uvas-passas escuras e sem sementes Modo de Fazer:  Coloque em uma panela o açúcar e 4 colheres (sopa) de água (60 ml). Misture e leve ao fogo por 4 minutos, sem mexer, até a calda começar a formar fio grosso. Acrescente o mel e1 colhere (sopa) de manteiga. Misture e cozinhe, mexendo de vez em quando, por mais 2 minutos ou até a calda engrossar. Adicione os flocos crocantes, a aveia, as nozes, as castanhas do pará (picadas grosseiramente) e as uvas passas. Cozinhe, sem parar de mexer, por 5 minutos ou até formar uma massa homogênea. Retire do fogo. Unte uma superfície lisa com a manteiga reservada e despeje a massa de maneira a formar um retângulo (36 cm x 31 cm) com 1 cm de espessura. Com uma faca corte a massa ainda quente em 20 barrinhas (3 cm x 6 cm). Guarde em recipiente hermético. Rendimento: 20 barrinhas de cereal | Tempo de preparo: 20 minutos [author] [author_image]http://babies.constancezahn.com/wp-content/uploads/sites/2/2013/02/heloisa-pacheco-03.jpg[/author_image] [author_info]Heloísa Tavares é nutricionista graduada pelo Centro Universitário São Camilo, especialista em pediatria clínica pelo Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da FMUSP, graduada em pedagogia na Faculdade de Educação da USP e atua há mais de 10 anos em consultório junto à Clínica Len de Pediatria. Contato:...
Leia mais

Alimentação infantil: dicas valiosas para curtir a praia com as crianças

Férias de verão é tempo de calor, sol, praia e piscina, não é mesmo? E com as altas temperaturas que andam fazendo, nada melhor que um banho refrescante de mar! Mas, não é porque estamos de férias que devemos descuidar da alimentação infantil das nossas crianças. Os vendedores nos tentam com camarão frito, pastel, queijo coalho, água de coco, milho verde, sanduíche, biscoito, sorvete, salgadinho e muito mais. Porém, o que comprar e o que levar de casa para que sua família se alimente com saúde e sem riscos para a saúde? Pensando nisso, preparei uma lista de alimentos para quem quiser levar lanchinho de casa, além de dicas bem bacanas, saudáveis e práticas de preparo! Confira: OS MAIORES INIMIGOS NA PRAIA: CALOR E FALTA DE HIGIENE Há muitas opções de comida na beira da praia. Mas, todo cuidado é pouco quando o assunto é o calor. Com as altas temperaturas, os alimentos podem se deteriorar com muita facilidade, se não forem armazenados corretamente. Se você não resistir às tentações da orla e optar por comprar algum snack, a palavra de ordem é ATENÇÃO! Observe a limpeza do quiosque ou do carrinho, e a forma como o profissional manuseia o lanche. Dê preferência às bancas fixas, que necessitam ter autorização para funcionarem e proporcionam melhores condições de armazenamento e higiene. ESCAPE DAS ARMADILHAS: PREPARE SUA PRÓPRIA BOLSA TÉRMICA A alimentação na praia precisa ser previamente combinada entre os pais e as crianças. Como é uma missão impossível saber a procedência dos alimentos vendidos à beira-mar, é melhor evitar. Para escapar das armadilhas, levar uma bolsa térmica com alimentos saudáveis e...
Leia mais

Saúde bucal: O que é selante dental?

Os selantes são materiais aplicados à superfície dos dentes com o intuito de penetrar e aderir aos seus sulcos e rugosidades, tornando-os menos profundos e, portanto, dificultando que restos de alimentos fiquem ali retidos. Desta forma, dificulta-se também o aparecimento da cárie. Os selantes geralmente são aplicados nos dentes lá do fundo, uma vez que eles são os que possuem mais fissuras, sendo assim os mais difíceis de limpar e os mais propícios a acumularem restos de alimentos, mesmo após a escovação. Quais dentes devem sofrer a aplicação do selante? Apenas em casos bem específicos aplicamos o selante nos dentes de leite, uma vez que devido a sua anatomia, eles não possuem tantas fissuras como os permanentes. A maior indicação para a aplicação do selante é no primeiro molar permanente, que aparece por volta dos 6 anos de idade. Este dente nasce lá no fundo, atrás do último dentinho de leite (são 4, um de cada lado), sem que nenhum outro caia antes e, geralmente, os pais acham que é mais um dente de leite. No entanto, ele possui muito mais sulcos e demora bastante para atingir a altura dos outros dentes, por isso a escova muitas vezes nem passa por ele. Junta-se a estes, o fato de que aos 6 anos as crianças ainda não terem autonomia suficiente para fazer uma boa escovação, mas também não gostam que os pais a façam.....por isso este é o dente mais susceptível à cárie! De acordo com a avaliação do dentista, ele pode achar que outros dentes também precisem de selante....
Leia mais

Erosão dentária em crianças

Olá! A coluna de hoje é sobre um assunto que passa um pouco despercebido por muitas mães: o desgaste dos dentes por causa do excesso de ingestão de bebidas ácidas, como sucos e refrigerantes. Tanto os dentes de leite quanto os permanentes são formados por um tecido vivo, a polpa, coberto por dois outros tecidos mineralizados, a dentina e esmalte. Este último pode ser considerado o tecido mais duro e resistente do nosso corpo, no entanto sua grande quantidade de minerais pode sofrer perdas quando em contato com substâncias ácidas. A este processo damos o nome de erosão dentária. Atualmente, alguns estudos vêm demonstrando um aumento da sua frequência em crianças. Isso acontece porque houve também uma mudança no padrão de consumo de bebidas ingeridas por elas, no qual refrigerantes e suco de frutas são cada vez mais frequentes. Os sucos de laranja e uva, por exemplo, estão entre os preferidos pelas crianças e geralmente são vistos como opções saudáveis pelas mães. No entanto, o seu consumo frequente traz riscos não só pela quantidade de açúcar (principalmente no caso dos sucos artificiais), que predispõe ao aparecimento da cárie, quanto também pela sua acidez, que pode levar a erosão dentária. O mesmo pode ser dito dos refrigerantes, que são ainda mais ácidos. Os sinais iniciais da erosão dificilmente são detectados pelas mães, mas durante o exame clínico, o dentista pode avaliá-los. Os sinais e sintomas mais evidentes são a perda quase que total do esmalte dentário, manchamento, bordas transparentes, sensibilidade, diminuição da espessura do dente e facilidade de sofrer fraturas. Como...
Leia mais

Seu filho range os dentes enquanto dorme?

Você é uma das muitas mães que tem reparado que seu filho range os dentes enquanto dorme? O bruxismo, como chamamos este ato, tem ocorrido cada vez mais em crianças, sendo motivo de preocupação para muitas mamães atualmente, principalmente pelo barulho que os dentes fazem quando raspam um no outro. Ele ocorre com maior frequência durante o sono e em períodos de estresse e excitação, embora possa também ocorrer durante o dia. É um ato inconsciente, sendo caracterizado por contrações rítmicas dos músculos da mastigação. Embora a ciência indique que o surgimento desta disfunção motora esteja relacionado ao sistema nervoso central, o seu sinal mais evidentes aparece na boca: o desgaste dos dentes, que pode ser suficiente para afetar diversas funções bucais e até trazer dor naquela articulação que fica perto do ouvido, que sentimos mexendo quando abrimos e fechamos a boca. Apesar de ser difícil encontrar uma causa específica, os estudos mostram que alguns fatores estão associados à ocorrência do bruxismo: genética (sempre ela!), refluxo, estresse emocional, problemas respiratórios (bronquite, asma, obstruções nasais, rinite), sono não reparador, Transtorno do Déficit de Atenção (TDAH), dores de cabeça e também algumas síndromes (o bruxismo é bastante comum em pacientes especiais). Uma característica do bruxismo em crianças é que ele tende a ser flutuante, isto é, ele vai e volta de acordo com a fase pela qual a criança está passando. Mas a boa notícia é que ele tende a diminuir com a idade, não necessariamente crianças com bruxismo se tornam adultos com bruxismo também. Ah, e não podemos confundir com...
Leia mais

5 dicas de ouro para servir a papinha

Depois do passo-a-passo para congelar, hoje damos 5 dicas de ouro para a hora de servir a papinha: 1. Ofereça a comida morna, mais ou menos na temperatura do corpo. Se você a colocar sobre o dorso da mão, o certo é não senti-la quente. 2. Cuidado quando esquentar a comida no microondas, porque é comum uma parte fica morna e outra fica quente. Se for sopa, misture bem depois de esquentar, e aí teste a temperatura. Alimentos como a batata "seguram" mais o calor e podem ficar quentes por dentro sem que você perceba. 3. Coloque a quantidade certa de alimento no prato (a criança pode pedir mais se quiser, ou ficar satisfeita com cerca de 200 g de papa) e jogue fora tudo o que sobrar. A regra é simples: se você colocou uma colher que foi para a boca de alguém na comida, essa comida não pode ser guardada. Os microorganismos presentes na saliva, mesmo em pequena quantidade, podem se proliferar no alimento, até dentro da geladeira. 4. Preste atenção em possíveis alergias alimentares. Dê um ingrediente novo por dia, não cinco de uma vez, senão ficará difícil saber qual fez mal em caso de reação. Saiba mais sobre como apresentar novos alimentos. 5. Reaproveite as sobras (desde que não seja as do prato do bebê). Na geladeira, elas podem ser dadas à criança até o dia seguinte e, se forem congeladas de maneira correta, podem durar até 3 meses. [author] [author_image]http://babies.constancezahn.com/wp-content/uploads/sites/2/2013/02/heloisa-pacheco-03.jpg[/author_image] [author_info]Heloísa Tavares é nutricionista graduada pelo Centro Universitário São Camilo, especialista em pediatria clínica pelo Instituto da...
Leia mais

Passo-a-passo para congelar papinhas de forma correta

Dando continuidade ao assunto papinha, tema da nossa coluna anterior, agora chegou a vez de dar algumas dicas de como congelar papinhas salgadas. Como falei aqui, as papinhas podem ser congeladas por até três meses: esse processo de conservação mantém as características nutricionais dos alimentos, desde que sejam tomados alguns cuidados no procedimento de preparo. 1. Alimentos frescos: use sempre alimentos frescos, pois o congelamento não mascara a qualidade nutricional. 2. Choque térmico: após o preparo, a papinha deve ser colocada, ainda quente e na própria panela, em um recipiente com gelo para parar o cozimento. Dessa maneira, fica preservada a textura depois do descongelamento. 3. Porções individuais: após resfriada, a papinha deve ser colocada em porções que dêem para uma refeição do bebê, ou seja, em um recipiente pequeno de modo que não sobre espaço. Feche em seguida (retire todo ar) e leve ao freezer. 4. Congelando: use somente o freezer no processo de congelamento. O congelador da geladeira não tem temperatura adequada para esse tipo de conservação de alimentos. Espero que tenha contribuído para que você se anime e faça de maneira caseira e com muito carinho a papinha do seu bebê. Com certeza ele aprovará seus dotes culinários e zelo! [author] [author_image]http://babies.constancezahn.com/wp-content/uploads/sites/2/2013/02/heloisa-pacheco-03.jpg[/author_image] [author_info]Heloísa Tavares é nutricionista graduada pelo Centro Universitário São Camilo, especialista em pediatria clínica pelo Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da FMUSP, graduada em pedagogia na Faculdade de Educação da USP e atua há mais de 10 anos em consultório junto à Clínica Len de Pediatria. Contato: helotavares@terra.com.br.[/author_info]...
Leia mais