Blog

Intolerância ao leite materno: o que fazer?

O leite materno é o alimento mais completo e a principal fonte de nutrição dos recém-nascidos. Imunidade, ganho de peso e melhora no sistema digestivo são alguns dos muitos benefícios que os bebês ganham ao se alimentar exclusivamente dele. Porém, em alguns casos, a criança pode apresentar reações alérgicas ao leite, tendo sintomas parecidos com os de intolerância à lactose. A pediatra Cylmara Gargalak Aziz Silveira, do Hospital e Maternidade São Luiz, explica por que isso acontece e como lidar com o problema.

Foto: medicinabih.info

Segundo a pediatra Cylmara Gargalak Aziz Silveira, do Hospital e Maternidade São Luiz, a alimentação da mãe é um fator predominante para a saúde do bebê. “Muitas vezes acreditando em mitos, as mulheres consomem alimentos derivados do leite em doses exageradas, pensando que assim produzirão mais leite para a amamentação. Mas os componentes do leite de vaca acabam passando para a criança, por vezes resultando em casos alérgicos”, alerta. Algumas vezes, entretanto, o problema pode ser hereditário.

Intolerância x alergia

 É importante entender que intolerância e alergia são patologias distintas. “A alergia é o primeiro sinal da intolerância e seus sintomas variam entre cólicas, refluxo, azia e colite (presença de sangue nas fezes), podendo levar a criança a um quadro de anemia. Se não for tratada, a criança não desenvolve sensibilidade às proteínas do leite, gerando a intolerância, que bloqueia a aceitação da glicose do leite pelo organismo”.

Tratamento

O tratamento é feito por meio de uma dieta imposta à mãe. “Principalmente as mães que consomem alimentos muito gordurosos precisam dessa intervenção. Cortamos todos os derivados e produtos de padaria que possam conter leite em sua composição. Tudo o que a mãe come passa para o leite, que acaba ficando carregado de gorduras, acarretando em cólicas e problemas intestinais para os bebês”, conta a Dra. Cylmara.

Se não forem obtidos resultados após a dieta alimentar da mãe, que pode chegar a até nove meses de restrições, o pediatra pode intervir indicando um leite hipoalergênico. “A mulher deve saber que enquanto está gravida ou amamentando não precisa cortar nada da sua alimentação, apenas moderar. O ideal é se hidratar muito bem e ter uma dieta equilibrada, com peixes, frutas, legumes, carboidratos em geral e ovo cozido, que contém colina, nutriente do complexo B de vitaminas que ajuda nos impulsos nervosos do cérebro”, finaliza a Dra. Cylmara.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>