Casamentos Casa & Decor 15 anos
Topo

Saúde

Exibindo página 5 de 649

Navegue como ou

Sanduíches divertidos

Descobrimos esses sanduíches com desenhos divertidos e adoramos a história por trás deles! Desde 2008, David Laferriere, pai e designer, faz desenhos nas embalagens dos sanduíches que seu filho leva para a escola diariamente. Cada ilustração é uma surpresa: o filho só vê na hora do lanche! O desafio é criar um desenho diferente todos os dias, mas como vocês podem ver abaixo, ele tira de letra! Clique aqui para ver mais...
Leia mais

Muito além do peso

A obesidade infantil é uma epidemia mundial causada, principalmente, por uma alimentação baseada em junk food. E é exatamente sobre isso que trata o documentário brasileiro Muito Além do Peso, dirigido por Estela Renner. Como as histórias são reais e alarmantes, achamos que todos os pais e mães devem assisti-lo e ficar atentos! O filme discute porque 33% das crianças brasileiras pesam mais do que deviam e as respostas envolvem o governo, os pais, as escolas e a publicidade. Para quem ainda tem dúvidas, o filme mostra que a obesidade infantil é um problema realmente grave! Alguns meses após o lançamento oficial nos cinemas, os produtores decidiram colocar o material à disposição de toda a população gratuitamente na internet. Dá para fazer o download gratuito no site oficial ou assistir ao filme na íntegra abaixo:...
Leia mais

Cuidados com as crianças durante o carnaval

O Carnaval é uma das festas mais celebradas no Brasil, adorada tanto por adultos como por crianças, que também querem aproveitar a data para brincar, dançar e se divertir. “É uma época propícia para elas imaginarem um mundo de fantasias e isso é bastante positivo, pois pode contribuir para torná-las adolescentes e adultos criativos e com raciocínio mais rápido”, afirma o pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz, Dr. Marcelo Reibscheid. Não há restrições para começar a aproveitar a folia, contudo, o especialista aconselha os pais a levarem os filhos a bailes e eventos carnavalescos quando os pequenos já estiverem andando, por volta dos 10 meses a um ano e meio. Nesta idade, já é possível interagir e participar das brincadeiras, promovendo a socialização entre os colegas. “As atividades coletivas fazem com que as crianças sejam mais sociáveis e tenham a oportunidade de adquirir experiências e visões de vida diferentes”, diz o médico. “Elas aprendem também a compartilhar o que têm com outras pessoas, já que geralmente dividem serpentinas e confetes, por exemplo.” Para aproveitar as festividades com segurança e bem-estar, vale atentar-se para alguns pontos: 1. Hidratação: Em virtude do calor e consequente sudorese, é imprescindível beber líquidos no decorrer da festa, como água, leite ou suco. 2. Alimentação: O ideal é ingerir alimentos leves e práticos, como frutas ou mesmo sucos. Mas, como o momento é de descontração, são permitidas guloseimas, como doces e pipocas, desde que sem exagero. 3. Vestuário: Roupas confortáveis dão liberdade de movimento e, por isso, são recomendadas. As fantasias, porém, são as...
Leia mais

O peso ideal da mochila do seu filho

Com a volta às aulas, uma das maiores preocupações dos pais é quanto ao peso da mochila de seus filhos. Por isso, conversamos com a Drª. Eliane Alfani, pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz, que indicou algumas maneiras de deixar a mochila mais leve:  Existe uma estreita relação entre o excesso de peso na mochila com alterações e dores na coluna e modificações no caminhar. Mais que isso: o peso que muitas crianças carregam traz patologias que, com o passar dos anos, tornam-se difíceis de tratar. Em alguns casos, as mochilas pesadas podem até mesmo lesionar as placas de crescimento dos ossos e, no caso das crianças, fazer com que deixem de crescer. Segundo a Drª. Eliane Alfani, "O uso contínuo de mochila  pesada pode levar à dor, desvio de postura e até doenças mais sérias na coluna, como lordose e escoliose". Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 85% das pessoas têm, tiveram ou terão um dia dores nas costas provocadas por problemas de coluna. Mas, poucas pessoas sabem que essa dor pode estar relacionada ao peso da mochila que usou na época da escola. O Ministério da Saúde recomenda que o peso não ultrapasse em mais de 10% o peso da criança, ou seja, uma pessoa de 30 quilos não pode carregar mais do que três quilos de material. Mesmo os pais que têm consciência sobre esse problema, muitas vezes se sentem impotentes para resolvê-lo, na correria do dia a dia escolar. “É comum ouvir pais preocupados ou queixas de crianças, mas na prática, pouco se...
Leia mais

Como aproveitar o verão com o bebê

Com a chegada do verão, as praias se tornam o destino certo das famílias que procuram aproveitar os dias quentes e ensolarados. Mas a diversão não dispensa cuidados com a saúde, principalmente quando se trata dos bebês. jaimefergusonphotography.com De acordo com a pediatra Dra. Camila Reibscheid, do Hospital e Maternidade São Luiz, as mães podem e devem aproveitar a estação com os pequenos, que necessitam de banhos de sol e contato com a família. “É muito importante que os bebês tenham contato com o sol no verão por cerca de 10 ou 15 minutos diários. O sol contribui para o desenvolvimento e crescimento da criança, auxiliando na liberação de vitamina D. Isso pode ser feito durante um passeio pela praia, antes das 10h ou depois das 16h”, destaca. Mesmo com todos os cuidados, a especialista alerta que crianças com menos de seis meses não devem ir à praia. “Além do sistema imunológico ainda não estar preparado, a amamentação na praia não é adequada”. *A Dra. Camila Reibscheid esclarece que amamentar na praia não é proibido, mas também não é o ideal. "Na verdade, até pode, mas tem que tomar cuidado com a higiene. A mãe não pode sair do mar e amamentar, porque a mama está suja, tem protetor solar, tem areia... Ela precisa tomar um banho primeiro. A praia costuma ser um lugar agitado demais, e é aconselhável que a mãe procure um lugar fresco e tranquilo pra amamentar. Quando se tratar de mamadeira, não pode levar leite pronto para a praia, por causa do calor. Tem que...
Leia mais

Diabetes na infância

No Dia Mundial de Combate ao Diabetes (14/11), o Dr. Luis Eduardo Caliari, endocrinologista infantil do Hospital e Maternidade São Luiz, fala sobre diabetes na infância: O diabetes é uma doença caracterizada pelo alto índice de açúcar no sangue, que se dá por alimentação inadequada, obesidade, sedentarismo ou pela inutilização do pâncreas, que impede a produção de insulina pelo organismo. A doença, que segundo o Ministério da Saúde afeta 246 milhões de pessoas no mundo, vem se mostrando cada vez mais presente nas crianças. Segundo o Dr. Luis Eduardo Caliari, “os pais precisam ficar atentos aos sintomas de diabetes na infância, pois se o diabetes não for identificado em até três semanas, fica muito mais difícil controlar a doença”. Diabetes tipo 1 A Federação Internacional de Diabetes (IDF) estima que há crescimento de 3% ao ano no número de crianças em idade pré-escolar com diabetes tipo 1, o mais comum na infância, que tem como consequência a perda total ou quase total de insulina. “A criança tende a desidratar, beber muita água, perder peso rapidamente e urinar muito. Com esses sintomas, é de extrema importância levar a criança ao pronto socorro. Infelizmente, o tratamento costuma ser iniciado tardiamente, já que os pais não pensam na possibilidade de diabetes”, alerta o especialista. Não há como prevenir o diabetes tipo 1, já que essa variação pode ter um caráter genético, mesmo que não existam familiares com esse histórico. Como não existe relação alguma com a alimentação ou outros hábitos da criança, costuma ser desencadeada por um componente ambiental, como o contato...
Leia mais

8 dúvidas comuns sobre sonambulismo

O sonambulismo, transtorno do sono que faz com que pessoas se movimentem ou falem enquanto dormem, costuma despertar muitas dúvidas. Mais comum do que parece, o distúrbio afeta cerca de 20% das crianças entre 3 e 10 anos. Segundo o Dr. Álvaro Pentagna, neurologista do Hospital e Maternidade São Luiz, “os pacientes sonâmbulos frequentemente melhoram com o avanço da idade, mas devem procurar ajuda de um especialista se o problema estiver causando medo e preocupação”. Abaixo, o especialista esclarece as principais dúvidas sobre o assunto: 1. O que é sonambulismo? O sonambulismo é um tipo de parassonia e consiste em comportamentos não esperados ou desagradáveis durante o sono. No quadro, as funções motoras despertam, mas a consciência não, e assim a pessoa interage parcialmente com o ambiente, podendo se mexer muito, falar ou até perambular pela casa durante a noite. 2. Por que ocorre? Pode ser hereditário, mas costuma ter algo que desencadeia – geralmente um barulho, um som ou um estímulo, levando a pessoa a se conectar parcialmente com o ambiente. 3. Em qual estágio do sono ocorre o sonambulismo? Ocorre no estágio não-REM, na primeira das seis passagens noturnas do sono profundo. Na fase REM, os olhos se movimentam rápido e a musculatura relaxa, ficando mais flácida, justamente para não interagirmos com o sonho. 4. É verdade que não se pode acordar alguém durante o sonambulismo? Mito. Na verdade, nessas situações o sonâmbulo pode ter um despertar muito confuso e agitado. O ideal é ir com calma, falar baixo e conduzir a pessoa calmamente até um lugar...
Leia mais

Soja na alimentação infantil

Muitos pais têm dúvidas em relação à inserção de soja na alimentação infantil. Por isso, conversamos com especialistas para saber os mitos e verdades sobre o tema. A partir de que idade a soja pode ser inserida na alimentação infantil? De acordo com a Dra. Alessandra Cavalcante, pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz, a soja pode ser inserida na alimentação dos pequenos, teoricamente, a partir dos 2 anos, de preferência com a orientação do pediatra. Isso porque a soja possui substâncias que podem causar alergias, então quanto mais tardio o consumo, melhor. Os especialistas da Unilever Health Institute atentam para o fato de que o grão de soja possui muitas propriedades nutritivas importantes para adultos e crianças (rico em proteínas, ácidos graxos mono e poliinsaturados, minerais – como cálcio, ferro, cobre, fósforo e zinco –, vitaminas – principalmente as do complexo B –, além de fornecer biotivos, como é o caso da proteína de soja e das isoflavonas, conhecidas como funcionais). Após o primeiro ano de vida, a alimentação da criança passa a ser mais próxima da alimentação da família, porém ela ainda tem necessidades nutricionais específicas e que devem ser observadas. O consumo do produto por crianças com menos de 3 anos de idade deve ser discutido com o pediatra ou nutricionista. *É importante lembrar que o Ministério da Saúde recomenda que o bebê se alimente exclusivamente com o leite materno até os seis meses de idade. Qual a diferença entre as fórmulas infantis de soja e as bebidas de soja que são comumente encontradas nos mercados?...
Leia mais

Alimentos indispensáveis e prejudiciais ao feto

Desde o início da gestação, a futura mamãe deve adotar uma dieta saudável e equilibrada, pois o bebê já necessita de diversos nutrientes que serão essenciais para seu desenvolvimento. De acordo com o ginecologista e obstetra Soubhi Kahhale, do Hospital e Maternidade São Luiz, “é preciso se informar bastante sobre alimentação, pois tudo o que é consumido pela mãe é absorvido pelo feto através do cordão umbilical, que liga a placenta a duas artérias também responsáveis pela transferência de oxigênio, aminoácidos e ferro". Quando o bebê recebe todos os nutrientes e vitaminas necessárias, consequentemente nasce mais saudável e com peso ideal. Veja abaixo, os alimentos indispensáveis e prejudiciais ao feto, segundo o especialista. Alimentos indispensáveis: Proteínas, sais minerais, vitaminas e glicose estão entre os componentes mais importantes para a saúde da criança que irá nascer. Além disso, para evitar a possibilidade de má formação neurológica do feto, a gestante deve incluir em sua dieta o ácido fólico (feijão, ervilha, tomate, brócolis, cogumelo e espinafre são alguns alimentos ricos em ácido fólico) e vitamina do complexo B, presente em folhas escuras e na gema do ovo. Alimentos prejudiciais: O consumo excessivo de cafeína, por exemplo, tem sido um dos alvos principais dos obstetras por ser um estimulante que aumenta o metabolismo e os batimentos cardíacos, deixando o bebê agitado. As carnes cruas também devem ser evitadas devido à toxoplasmose, doença encontrada em um parasita que se hospeda na gestante, podendo resultar em aborto, deficiências neurológicas e visuais. *O especialista destaca ainda que é importante que a gestante cumpra uma dieta...
Leia mais

Atividades físicas para cada fase da infância

A prática de atividades físicas, além de contribuir para o desenvolvimento saudável, é uma boa maneira de evitar que as crianças passem tempo demais no computador ou no videogame. Hábitos saudáveis adquiridos desde cedo ajudam a criança a ter uma melhor qualidade de vida quando adulta, prevenindo possíveis doenças causadas pelo sedentarismo. Mas para escolher a melhor opção em cada etapa da vida, é importante ter conhecimento de que há esportes específicos que auxiliam no desenvolvimento biológico, social e físico. Abaixo, o Dr. Fabiano Prata, especialista em ortopedia pediátrica do Hospital e Maternidade São Luiz, indica quais os esportes mais adequados para cada faixa etária. Foto: kids.lovetoknow.com De acordo com o especialista, praticar atividades físicas precisa ser mais uma questão de diversão do que obrigação. É importante que os pais tomem cuidado para não sobrecarregar a criança. Atividades muito pesadas podem causar problemas na formação dos músculos, principalmente na infância, período de crescimento ósseo e amadurecimento biológico. Até completar o primeiro ano de vida É indicado que as atividades básicas sejam caminhar e andar. De 1 a 6 anos A natação é um dos esportes mais indicados, principalmente para os bebês, uma vez que ajuda a trabalhar o sistema respiratório e a melhorar o desenvolvimento motor, o equilíbrio e a postura. Além disso, a criança deve subir e descer escadas e se adaptar aos diferentes terrenos. Entre 6 e 12 Os pais já podem ingressá-la em uma escola de esportes para que ela possa aprender técnicas e regras, verificar suas aptidões físicas e estimular a competitividade. Esportes como vôlei,...
Leia mais

Alimentação saudável em casa

Já falamos aqui sobre comidinhas saudáveis nas festinhas infantis e na lancheira da escola, mas como incentivar os pequenos a manter uma alimentação equilibrada em casa? Separamos algumas dicas que podem ajudar nessa difícil tarefa. freshhealthyvending.com Ver o filho comer frutas, verduras e legumes sem torcer o nariz é o sonho de qualquer mãe. E a dificuldade de manter refeições equilibradas na infância é enfrentada por grande parte das famílias, muitas vezes porque os pequenos se negam a consumir alimentos essenciais para a formação e crescimento. A situação pode piorar caso o adulto acabe se rendendo aos pedidos constantes por batata frita, hamburguer, pizza e doces que tanto agradam ao paladar. Para que os filhos adotem bons hábitos alimentares, alguns métodos podem ser bastante eficazes. “Uma criança deve ser convencida a comer determinado alimento sob o argumento de que é gostoso, e não porque é saudável”. afirma Marle Alvarenga, nutricionista que participou do III Simpósio Internacional Unilever. “Todos comem de acordo com o que conhecem, acreditam e sentem. Por isso, é importante incentivar bons hábitos alimentares desde a infância”, completa. Dicas da especialista que podem ajudar as crianças a terem uma dieta mais saudável: - Resgatar rituais alimentares: fazer as refeições em família e transformar o momento num ato de socialização. - Estimular a conexão com sensações internas: sentir fome, saciedade e apetite. - Organizar a rotina alimentar: estabelecer horários para comer, bem como lugar adequado. - Apreciar o momento da alimentação e desfrutar com prazer o momento. Dicas do Buffet Zest Kids para as festinhas que também podem...
Leia mais

Qual a idade certa para o bebê começar a andar?

Muitas mães se afligem ao ouvir de outras mães que seus bebês já começaram a andar e o seu ainda não. Mas, na maioria das vezes, não há motivos para prepocupações! A fisioterapeuta pediátrica, Dra. Fernanda Davi, especialista em desenvolvimento e reabilitação motora, explica como acontece o desenvolvimento motor da criança: Deixe as comparações de lado O ritmo de desenvolvimento motor na fase de 10 meses a 1 ano e dois meses é muito variável. Ou seja, um bebê pode andar muito antes que outro, sem que isso signifique um atraso neurológico. Não existe criança preguiçosa, cada uma tem seu tempo. "A velocidade não pode ser confundida com inteligência acima da média. No primeiro ano de vida, do ponto de vista motor, a criança desenvolve tudo o que será necessário para a vida adulta, como sentar, andar, comer sozinho, agachar, subir e descer escadas, tomar líquidos fora da mamadeira ou correr. E tudo isso acontece naturalmente". Incentive, mas sem estressar Você pode ajudar a criança a ficar de pé e se posicionar a uma certa distância para que ela se esforce para chegar até você. Usar brinquedos para que o pequeno tente pegá-lo também pode ser um recurso. Mas lembre-se que tudo isso deve ser feito sem estressar a criança e sem pular etapas. "A criança precisa aprender primeiro a sustentar a cabeça e o tronco, depois, então, ela consegue sentar. Ao adquirir  força tanto nos braços como nas perninhas, ela se sente capaz de 'minhocar' e depois engatinhar. Aos poucos, mais segura, ela fica em pé, dá uns...
Leia mais

Cuidados com o melasma durante a gravidez

Muitas mulheres sofrem com melasma durante a gravidez, aquelas manchinhas escuras na face que aparecem principalmente nas maçãs do rosto, na testa, nariz, lábio superior e têmporas. A maquiagem sempre ajuda a disfarçar, mas também dá para evitar o aparecimento das incômodas manchas tomando as devidas precauções. Abaixo, a dermatologista Samar Harati do Hospital e Maternidade São Luiz, dá dicas de como prevenir e tratar o melasma. O que é o melasma e por que ele é tão comum durante a gravidez? Melasma é uma doença crônica, sem cura, que tem 3 causas principais: genética, exposição solar sem uso de fotoprotetores e alteração hormonal. Pode também ser chamada de cloasma, quando ocorre na gravidez, onde é muito frequente devido a alteração hormonal e aumento da melanogênese. Como prevenir o melasma? Usar protetor solar com FPS 30, no mínimo, de duas a três vezes ao dia, reaplicado após sudorese, contato com água e exposição direta ao sol. Além da proteção física feita por chapéus, bonés, sombrinhas e óculos de sol. Como tratar o melasma? Por se tratar de uma doença crônica, o tratamento é amplo e depende da extensão e profundidade do melasma, onde é classificado em epidérmico, dérmico, misto, inaparente. - Cremes clareadores: São mais indicados nos casos em que há predisposição genética ao problema. Podem ser usar ácidos tópicos, como retinóides ou glicólicos, associados a despigmentantes como a hidroquinona, sempre com o acompanhamento de um dermatologista. Os resultados começam a surgir, em média, dois meses após o início do tratamento e a eficácia do tratamento depende da profundidade...
Leia mais

10 dicas para uma lancheira saudável

Com a volta às aulas, é hora de pensar nos estudos, materiais escolares e também na alimentação das crianças na escola. Com a correria do dia-a-dia e com as mais variadas opções disponíveis de lanches prontos, muitos pais acabam optando por alimentos mais práticos, que normalmente são ricos em gorduras saturadas, sódio, açúcar, conservantes químicos e pobres em vitaminas e minerais. Para ajudar os pais a montarem uma lancheira saudável, pedimos para a coordenadora de nutrição da Unilever, Gisele Pavin, mostrar algumas opções nutritivas e saborosas. Fotos: Diets in Review e Fam Health A importância de uma lancheira nutritiva "Esse pequeno lanchinho tem um papel muito importante na alimentação das crianças, já que fornece a energia necessária entre as refeições, contribuindo para que os pequenos tenham disposição física e mental para realizar as atividades do dia-a-dia. O mau hábito alimentar pode trazer como resultado os males do colesterol alto e a hipertensão arterial já na infância, principalmente para os que possuem suscetibilidade genética. É imprescindível que a criança tenha uma alimentação equilibrada e consuma diariamente as quantidades de nutrientes adequadas para seu crescimento. Alimentos fontes de cálcio, ferro, vitaminas e minerais são alguns dos elementos indispensáveis de uma refeição saudável nessa idade”, relata. A nutricionista Laís Aliberti, da Unilever, dá 10 dicas simples que podem tornar o lanche escolar mais atraente e nutritivo para os pequenos: 1.  Converse com as crianças sobre o que ela gosta de comer na hora do lanche e proponha opções saudáveis, como frutas; 2. Variar a opção de frutas é uma alternativa para a...
Leia mais

Intolerância ao leite materno: o que fazer?

O leite materno é o alimento mais completo e a principal fonte de nutrição dos recém-nascidos. Imunidade, ganho de peso e melhora no sistema digestivo são alguns dos muitos benefícios que os bebês ganham ao se alimentar exclusivamente dele. Porém, em alguns casos, a criança pode apresentar reações alérgicas ao leite, tendo sintomas parecidos com os de intolerância à lactose. A pediatra Cylmara Gargalak Aziz Silveira, do Hospital e Maternidade São Luiz, explica por que isso acontece e como lidar com o problema. Foto: medicinabih.info Segundo a pediatra Cylmara Gargalak Aziz Silveira, do Hospital e Maternidade São Luiz, a alimentação da mãe é um fator predominante para a saúde do bebê. “Muitas vezes acreditando em mitos, as mulheres consomem alimentos derivados do leite em doses exageradas, pensando que assim produzirão mais leite para a amamentação. Mas os componentes do leite de vaca acabam passando para a criança, por vezes resultando em casos alérgicos”, alerta. Algumas vezes, entretanto, o problema pode ser hereditário. Intolerância x alergia  É importante entender que intolerância e alergia são patologias distintas. "A alergia é o primeiro sinal da intolerância e seus sintomas variam entre cólicas, refluxo, azia e colite (presença de sangue nas fezes), podendo levar a criança a um quadro de anemia. Se não for tratada, a criança não desenvolve sensibilidade às proteínas do leite, gerando a intolerância, que bloqueia a aceitação da glicose do leite pelo organismo". Tratamento O tratamento é feito por meio de uma dieta imposta à mãe. “Principalmente as mães que consomem alimentos muito gordurosos precisam dessa intervenção. Cortamos todos...
Leia mais

Buffet infantil com comidinhas saudáveis

Incluir comidinhas saudáveis no buffet tem sido uma solução para as mães preocupadas com a alimentação das crianças nas festinhas. Em piqueniques ao ar livre elas já fazem o maior sucesso! No lugar de frituras e junk food, entram alimentos assados e orgânicos, apresentados de um jeito atrativo para os pequenos. Abaixo, os buffets Zest Kids e Dedo de Moça dão dicas de como fazer uma festa saudável, sem perder a diversão. Buffet 100% saudável ou só em parte? Zest Kids: "Damos preferência para preparações mais saudáveis, como assados e orgânicos, mas sempre levando em conta que se trata de uma festa infanil e que as comidinhas devem 'encher os olhos' dos pequenos. Não soms radicais em nada. As batatinhas smiles que as crianças adoram são assadas e não fritas". Dedo de Moça: "Nossa especialidade é fazer menus personalizados, fazemos a comida que as mães quiserem! Nós sempre sugerimos comidinhas mais saudáveis, mas se a mãe pedir uma coxinha, servimos também.  Muitas vezes fazemos cardápios sem refrigerantes, usando apenas sucos, água de coco e águas aromatizadas, por exemplo". Como tornar a comida saudável mais atrativa para as crianças? Zest Kids: "O ideal é que os ingredientes saudáveis sejam "camuflados". Por exemplo, nosso cheeseburguinho leva cenoura raladinha e gema de ovo na preparação". Dedo de Moça: "A apresentação da comida é muito importante. Usar uma louça legal, bonita e alegre já ajuda muito.  Um dos nossos sucessos saudáveis é o milho verde puxado apenas na manteiga, servido em uma mini porcelana para os adultos e um copinho descartável para as...
Leia mais

Parto em casa

Mulheres de diversas cidades do Brasil, incluindo São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, saíram às ruas nesse fim de semana para lutar pelo direito de decidir se querem ter o parto em casa ou no hospital. O assunto é delicado e tem dividido opiniões de especialistas e mães. Por isso, resolvemos falar um pouquinho sobre o tema e queremos saber a opinião de vocês! Foto: Parenthood and Kids Obstetras a favor do parto domiciliar indicam algumas vantagens, entre elas o fato de a gestante poder escolher a posição e local em que se sente mais confortável (a modelo Gisele Bundchen fez seu parto na banheira de casa, lembram-se?) e de não sofrer o risco de contrair infecção hospitalar. Importante lembrar também que o Brasil é o país campeão em cirurgias cesarianas. Em 2010, as cesárias chegaram a 52% do total de partos, sendo que a Organização Mundial de Saúde recomenda que este percentual não seja superior a 15%. Médicos que se posicionam contra o parto em casa atentam para a possibilidade de uma complicação, como uma hemorragia ou algum problema mais grave. Nestes casos, a gestante precisa ser levada às pressas para o hospital e ser atendida com urgência. Se for uma gravidez de risco, não se pode nem cogitar um parto em casa. Independente de ser contra ou a favor, a discusão trouxe à tona um assunto super importante: a humanização do parto. Isso significa que, seja em casa ou no hospital, os profissionais precisam respeitar, mostrar as opções e dar liberdade às escolhas da mulher, dando-lhe...
Leia mais

A importância do teste do pezinho

Não deve ser novidade para nenhuma de nossas leitoras a importância da triagem neonatal, também conhecida como teste do pezinho, um exame simples capaz de detectar doenças como a fenilcetonúria, hipotireoidismo, anemia falciforme e fibrose cística. Mas, aproveitando que o dia 6 de junho é o Dia Nacional do Teste do Pezinho, convidamos a pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz, Alessandra Cavalcante, para falar um pouquinho mais sobre o assunto. Foto: How Done Onde e como fazer o teste do pezinho? Exigido por lei, o teste do pezinho costuma ser realizado na maternidade ou hospital onde o bebê nasceu, entre o terceiro e o sétimo dia de vida, a partir de gotinhas de sangue retiradas do calcanhar. O pé é uma parte do corpo rica em vasos sanguíneos, o material para o exame pode ser colhido em uma única picada, rápida e quase indolor para o recém-nascido. A identificação precoce de qualquer anomalia permite que o tratamento adequado seja prontamente instituído, evitando que a criança sofra danos cerebrais irreversíveis. Assim, é possível começar um tratamento adequado nas primeiras semanas de vida do bebê e evitar consequências graves no futuro. As quatro doenças que, por lei, devem ser identificadas a partir do teste do pezinho: - Fenilcetonúria: uma doença que causa um comprometimento neurológico no desenvolvimento da criança; - Hipotireoidismo congênito: doença que pode levar ao retardamento mental e malformações físicas; - Anemia falciforme: pode levar a alterações em todos os órgãos e sistemas do corpo; - Fibrose Cística: doença que leva à produção de uma grande quantidade de...
Leia mais