Casamentos Casa & Decor 15 anos
Topo

Saúde

Exibindo página 2 de 649

Navegue como ou

Os benefícios da yoga para as crianças

Yoga não é apenas para adultos. A prática, que traz benefícios para corpo e mente, também é indicada para os pequenos e tem se tornado cada vez mais uma alternativa para os papais que buscam melhorar, entre outras coisas, a qualidade do sono, a concentração na escola e o controle emocional  de seus filhos. Para entender as principais diferenças entre as aulas de adultos e crianças, e aprender algumas posições para fazer em casa, conversamos com o mestre em yoga David Arzel. Dá uma olhada nas explicações dele: - Para começarmos, qual a melhor definição para a yoga e de seus benefícios? O Yoga desenvolve na criança um sentimento de paz e harmonia em relação ao ambiente externo, fazendo-a sentir-se mais segura de si. Ao alcançar maior equilíbrio psíquico e melhor saúde física através do Yoga, ela também controlará com mais calma os seus atos e pensamentos, podendo assim, transmitir mais serenidade e amor ao seu redor. E diante de tudo isso, o sono é melhor, a concentração na escola é maior... - Qualquer criança pode fazer yoga? Existe alguma restrição? Sim, qualquer criança pode praticar yoga, não há restrição alguma. É sempre muito divertido conhecer seu próprio corpo. - Qual a idade mínima recomendada? A idade mínima para a prática da yoga é 3 anos. - O que diferencia, em termos de técnica, as aulas de adultos para as das crianças? As aulas para crianças são muito mais lúdicas e divertidas. Usamos histórias de animais e bichos que fazem a aula muito mais amena. São mais de 150...
Leia mais

Mitos e verdades sobre gravidez de gêmeos

Será que toda mulher com histórico de gêmeos na família terá uma gravidez de gêmeos? E que todo descendente de oriental não pode gerar filhos aos pares? O risco na gestação é maior ou menor? Estas são alguns dos mitos e verdades que o médico e mestre em obstetrícia e ginecologia pela USP Dr. Wagner Hernandez tirou em entrevista ao blog. Vem ver as explicações: COMO ACONTECE A CONCEPÇÃO GEMELAR?  Existem duas maneiras para que ocorra uma gestação gemelar. Uma dá origem à gravidez conhecida como monozigótica, na qual um óvulo é fecundado por um espermatozoide: após a formação do ovo, este sofre uma divisão e dá origem a dois fetos geneticamente iguais. E a outra, conhecida como dizigótica, na qual dois ou mais óvulos são fecundados pelo mesmo número de espermatozoides, dando origem a dois ou mais fetos geneticamente diferentes. As monozigóticas tem frequência constante na população, enquanto as dizigóticas variam de acordo com alguns fatores de risco, como as gestações oriundas de reprodução assistida e a idade da mulher. COMO FUNCIONA A QUESTÃO GENÉTICA? SEMPRE PULA UMA GERAÇÃO?  A questão genética é sim um fator que pode aumentar a chance de uma gestação gemelar espontânea. Este fator é predominantemente da família da mulher. Não pula geração e quanto mais próximo o familiar com gêmeos, maior é a chance. Ou seja, a mulher que tem um irmão/irmã gêmeo, acaba tendo as maiores chances. É VERDADE QUE QUANDO O TESTE DE GRAVIDEZ ESTÁ MUITO ESCURO É UM SINAL DE GÊMEOS?  Não exatamente. O que acontece é que numa gestação gemelar a quantidade...
Leia mais

Saiba como escolher o pediatra do seu filho

Escolher quem vai ser o responsável por cuidar da saúde do seu filho nem sempre é uma tarefa fácil. Dicas de amigos, familiares e da Sociedade Brasileira de Pediatria são úteis e muito valiosas, mas alguns cuidados e perguntas precisam ser feitas para que aquele profissional seja o melhor para a rotina do bebê e da família. E para te ajudar, batemos um papo com a dra. Paula Woo, pediatra neonatologista da Universidade de São Paulo, que deu dicas valiosas e um passo a passo para a escolha do pediatra ideal. Vem ver: QUAL É O MOMENTO DE BUSCAR UM PEDIATRA?  Idealmente, deve-se buscar um pediatra ao longo da gestação. Assim, essa será uma preocupação a menos na hora de voltar com um bebê pequeno para casa. O segundo trimestre da gestação é um bom momento para essa pesquisa, já que a gestante está sofrendo menos com os sintomas iniciais da gravidez, como tontura, sono e enjôos. E também não está indisposta com o aumento do volume da barriga, ou até em repouso como acontecem nas gestações de alto risco. CASO OS PAIS NÃO TENHAM BOAS INDICAÇÕES DE AMIGOS E FAMILIARES, QUAL A MELHOR FORMA DE FAZER ESTA BUSCA?  Nos tempos de internet, muitas mães conseguem buscar informações sobre pediatras pelos sites de busca e nos grupos de mães em redes sociais. ANTES DO PARTO, QUAL A IMPORTÂNCIA DO PEDIATRA NA GESTAÇÃO?  O pediatra tem papel bastante importante na gestação. É esse profissional que irá tirar as dúvidas dos pais de primeira viagem. Seja referente ao preparo para receber um bebê...
Leia mais

O bebê está com cólica? Entenda o porquê e como você pode ajudar

Choro que falta até o ar, rostinho vermelho, pernas encolhidas e dedinhos contraídos são alguns dos sinais típicos de que o bebê está com cólica. Para entender melhor porquê muitos sofrem de cólica, e aprender dicas valiosas de como evitar, conversamos com a pediatra do Hospital e Maternidade Santa Joana, dra. Daniela de Melo Gonçalves. Dá uma olhada nas explicações dela: - Quando começam as cólicas do bebê? A cólica do lactente ocorre geralmente depois de duas semanas de vida e pode perdurar até o quarto mês. Normalmente ocorre no final da tarde ou a noite. Por definição, refere-se a um choro súbito, inexplicável e inconsolável, no qual o bebê se estica, fica vermelho, vira a cabeça para os lados com a coxa fletida, e podendo eliminar gases com alguns períodos de pausa. - Por que bebês têm cólicas tão freqüente?  As causas de cólica ainda são controversas. Acredita-se que possa ter uma incoordenação do sistema nervoso autônomo ou neuropático, cuja origem frequente seja mais emocional do que gastrointestinal. Outra hipótese, mais psicoanalítica, é que as cólicas seriam um desajuste no relacionamento mãe-bebê, sendo o corpo utilizado como meio de expressão desse desconforto. Portanto, vemos que a causa não é bem estabelecida, mas parece ter relação com uma relativa imaturidade do bebê, que vai melhorar com o seu crescimento. - Todo bebê tem cólica ou não é uma regra? Não. E nem todo bebê que tem cólica tem relação com o que foi relacionado acima. E um fato importante, que muita gente faz confusão, é que a cólica pode acontecer tanto em bebês alimentados no seio, como os que usam...
Leia mais

Os benefícios da acupuntura para bebês e crianças

Depois de falarmos dos benefícios, indicações e contraindicações da acupuntura na gestação, chegou a hora de abordar a acupuntura para bebês e crianças. Para entender como a técnica medicinal chinesa pode contribuir para a saúde dos pequenos, que vai desde melhora no sono até diminuição de problemas respiratórios e gástricos, conversamos com a fisioterapeuta especialista em ortopedia, RPG e acupuntura Thays Carvalho Simões. Dá uma olhada no que ela explica: - Qualquer criança pode fazer acupuntura? Sim, bebês respondem com muita eficácia os pontos de auriculoterapia, pois os meridianos só estarão totalmente completos quando atinge os 7 ou 8 anos de idade, quando os pontos corporais começam a ser utilizados. - Existe uma idade mínima? Em qualquer fase da vida dos bebês e crianças a acupuntura é bem-vinda. - Quais técnicas são mais recomendadas?  O mais recomendado são técnicas sem agulhas, como cromoterapia e auriculoacupuntura. Todavia, em alguns casos a agulha é utilizada. - Alguma contraindicação? Nenhuma. Independente da técnica, a acupuntura traz benefícios para o seu filho desde o nascimento, como melhora no sono e diminuição de problemas respiratórios e gástricos. - Quais os benefícios que ela traz para um bebê, por exemplo? Muitos beneficios, visto que os bebês ainda possuem seus sistemas em formação e a acupuntura auxilia a reorganização energética e harmonização do sistema. Os problemas mais comuns visto em bebês, como cólica, intestino preso, agitação para dormir e alergias, apresentam ótimos resultados. Já com crianças, a reorganização e harmonização do sistema de meridianos são excelentes para prevenir patologias comuns, como infecções de garganta, otites, alergias, assim como auxiliando em tratamentos dessas doenças. -...
Leia mais

Parto normal x parto humanizado: as principais diferenças

Você sabe as diferenças entre parto normal x parto humanizado?  Será que todo parto humanizado é normal? E será que todo parto humanizado é feito em casa? Estas são algumas das dúvidas que o médico e mestre em obstetrícia e ginecologia pela USP Dr. Wagner Hernandez tirou em entrevista ao blog. Vem ver as explicações que ele nos deu: O QUE É O PARTO HUMANIZADO? A primeira coisa que deve ficar clara é que o chamado "Parto humanizado” não é um tipo de parto. "Parto humanizado” é a maneira na qual a assistência ao parto ocorre da maneira mais natural possível. Praticamente sem nenhuma intervenção, respeitando o processo natural. A nomenclatura “humanizada” no meu modo de ver é inadequada, pois dá a impressão que o parto que não segue todos estes preceitos seria “desumanizado” ou “animalizado”, o que não é real, e na maioria das vezes injusto. QUAIS AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS DELE PARA O PARTO NORMAL? O parto normal é o resultado final. Ou seja, todo parto chamado de humanizado, ou não, que acontecer pela via vaginal será um parto normal. A diferença é como ele será conduzido para que ele aconteça. No parto normal / tradicional (ou "não humanizado”) que segue os ensinamentos da obstetrícia clássica, existem alguns passos feitos muitas vezes de rotina, como por exemplo, romper a bolsa das águas entre 6 e 8 centímetros de dilatação. No parto, chamado humanizado, a bolsa deve estourar espontaneamente ou pode até ocorrer o parto sem a sua rotura. O que deve ficar muito claro é que o parto normal bem assistido, com as intervenções...
Leia mais

Selo do Inmetro passa a ser obrigatório em cadeirão e multa chega a R$ 1,5 milhão

Depois dos berços, chegou a hora do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) aumentar a fiscalização dos cadeirões de crianças. A partir de fevereiro de 2016, o selo do Inmetro passa a ser obrigatório em cadeirão do tipo alta, com ou sem bandeja, e cadeiras de encaixe em mesas. Os modelos que se transformam em outros itens, como cadeira baixa, andador, carrinho, balanço e bebê conforto também precisam da certificação. Com a medida, papais e mamães têm a garantia de que o produto foi "aprovado em questões ligadas à segurança, como o cinto, estrutura e estabilidade, fechamento da cadeira durante o uso, e a presença de materiais que possam ser tóxicos", segundo o Inmetro. A medida prevê multa alta para o comerciante que descumprir a nova recomendação. Como eles tiveram 36 meses para se adaptar às normas de segurança exigidas pelo Inmetro, o valor pode chegar a R$ 1,5 milhão. O papai que presenciar alguma irregularidade pode denunciar à Ouvidoria do Inmetro, pelo telefone 0800 2851818. (Foto: reprodução) Veja também: Inmetro aumento regras de segurança para berços e proíbe grades móveis E mais: Calendário de vacinação infantil sofre mudanças em...
Leia mais

Calendário de Vacinação Infantil sofre mudanças

Atenção papais, tem novidades no calendário de vacinação dos pequenos em 2016. O Ministério da Saúde anunciou no começo deste ano alterações nas dosagens de reforço para vacinas infantis contra meningite e pneumonia. Além de mudanças no sistema vacinação da poliomielite e no número de doses da vacina de HPV. Para ajudar a entender as principais mudanças, colocamos em tópicos por doença: MENINGITE O reforço da vacina meningocócica C (conjugada), que protege as crianças contra a meningite causada pelo meningococo C, que anteriormente era aplicado aos 15 meses, agora passa a ser aplicado aos 12 meses, preferencialmente, podendo ser feito até os quatro anos. Neste caso, as doses iniciais não mudaram e continuam sendo dadas aos três e aos cinco meses. PNEUMONIA A partir de agora, a dose na vacina pneumocócica 10, que protege os pequenos contra a pneumonia, foi reduzida e será aplicada em dois momentos, aos dois e quatro meses, seguida de reforço aos 12 meses - podendo tomar até os quatro anos. No comunicado, o Ministério da Saúde justifica que a diminuição de três para duas doses foi tomada com base em estudos que provam que o novo esquema é tão eficiente quanto o anterior. POLIOMELITE  Não há mudanças em relação às datas de aplicações. O diferencial aqui é que a terceira dose da vacina contra a poliomelite, que era dada por via oral, passa agora a ser injetável. HPV A vacina contra o papiloma vírus humano (HPV), que aplicada em três doses, passa a ter apenas duas vezes no novo calendário de vacinação. Meninas de 9 a 13 anos podem ser vacinadas gratuitamente e...
Leia mais

Receita: Biscoito de Polvilho

Na semana passada, dei dicas valiosas para curtir a praia com as crianças. Como sugestão de lanche saudável, sugeri o biscoito de polvilho. Como muita gente me pediu um passo a passo, ensino uma receita fácil, gostosa e nutritiva. Dá uma olhada: Receita: Helô Tavares, coluna "Nutrição em Família" Ingredientes:  - ½ kg de polvilho azedo - ½ xícara (chá) de leite. 240 ml - 1 xícara (chá) de óleo.200 g - 1 xícara (chá) de água fervente. 240 ml - 1 ovo - Sal a gosto Modo de preparo: Em uma tigela grande, coloque o polvilho, o leite, o sal, o óleo e misture bem. Depois, com cuidado para não se queimar, vá acrescentando a água fervente e misture bem novamente. Por último, acrescente o ovo (sem bater), misturando bem, até obter uma mistura bem homogênea, lisa e brilhante. Despeje a massa em um saco de confeiteiro ou em um plástico mais rígido. De formato aos biscoitos com o auxílio de um saco para confeitar, já colocando-os em assadeira grande. Deixe um espaço entre eles. Leve para assar a 200°C, por 20 minutos, ou até eles ficarem levemente dourado.   Rendimento: 30 unidades | Tempo de preparo: 15 minutos (20 minutos para assar) (Foto: Pinterest) [author] [author_image]http://babies.constancezahn.com/wp-content/uploads/sites/2/2013/02/heloisa-pacheco-03.jpg[/author_image] [author_info]Heloísa Tavares é nutricionista graduada pelo Centro Universitário São Camilo, especialista em pediatria clínica pelo Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da FMUSP, graduada em pedagogia na Faculdade de Educação da USP e atua há mais de 10 anos em consultório junto à Clínica Len de Pediatria. Contato: helotavares@terra.com.br.[/author_info]...
Leia mais

Receita: Bolo de chocolate sem glúten e lactose

Nossa nutri-colunista Helô Tavares preparou um post especial para hoje. Uma receita de bolo de chocolate sem glúten e lactose. Dá uma olhada no passo a passo: Ingredientes: Massa - 6 ovos - 6 colheres (sopa) de achocolatado - 8 colheres (sopa) de açúcar - 1 colher (sopa) de fermento em pó - 2 colheres (sopa) margarina - 100g de coco ralado Calda - 1/4 xícara (chá) achocolatado - 1/4 xícara (chá) de açúcar - 200 ml de leite de amêndoa Cobertura - 1/4 xícara (chá) achocolatado - 1/4 xícara (chá) de açúcar - 300 ml de leite de amêndoa - 2 colheres (sopa) de amido de milho Modo de preparo:  Em batedeira bata o açúcar e a margarina até obter um creme claro e liso. Sem parar de bater acrescente os ovos um a um. Em seguida, acrescente o achocolatado e misture bem. Desligue a batedeira e incorpore o fermento e o coco ralado. Unte uma forma redonda (26-30cm) com margarina e forre o fundo com papel vegetal e unte-o também. Despeje a massa na forma e leve ao forno preaquecido a 180ºC por 20 a 30 minutos. Calda: em uma panela misture todos os ingredientes e leve ao fogo. Ao ferver retire e regue o bolo com a calda. Cobertura: Dissolva o amido de milho no leite de amêndoas. Leve ao fogo o açúcar, o achocolatado e o leite com o amido de milho até engrossar. Espalhe a cobertura por cima do bolo. [author] [author_image]http://babies.constancezahn.com/wp-content/uploads/sites/2/2013/02/heloisa-pacheco-03.jpg[/author_image] [author_info]Heloísa Tavares é nutricionista graduada pelo Centro Universitário São Camilo, especialista em pediatria clínica...
Leia mais

Passo-a-passo para congelar papinhas de forma correta

Dando continuidade ao assunto papinha, tema da nossa coluna anterior, agora chegou a vez de dar algumas dicas de como congelar papinhas salgadas. Como falei aqui, as papinhas podem ser congeladas por até três meses: esse processo de conservação mantém as características nutricionais dos alimentos, desde que sejam tomados alguns cuidados no procedimento de preparo. 1. Alimentos frescos: use sempre alimentos frescos, pois o congelamento não mascara a qualidade nutricional. 2. Choque térmico: após o preparo, a papinha deve ser colocada, ainda quente e na própria panela, em um recipiente com gelo para parar o cozimento. Dessa maneira, fica preservada a textura depois do descongelamento. 3. Porções individuais: após resfriada, a papinha deve ser colocada em porções que dêem para uma refeição do bebê, ou seja, em um recipiente pequeno de modo que não sobre espaço. Feche em seguida (retire todo ar) e leve ao freezer. 4. Congelando: use somente o freezer no processo de congelamento. O congelador da geladeira não tem temperatura adequada para esse tipo de conservação de alimentos. Espero que tenha contribuído para que você se anime e faça de maneira caseira e com muito carinho a papinha do seu bebê. Com certeza ele aprovará seus dotes culinários e zelo! [author] [author_image]http://babies.constancezahn.com/wp-content/uploads/sites/2/2013/02/heloisa-pacheco-03.jpg[/author_image] [author_info]Heloísa Tavares é nutricionista graduada pelo Centro Universitário São Camilo, especialista em pediatria clínica pelo Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da FMUSP, graduada em pedagogia na Faculdade de Educação da USP e atua há mais de 10 anos em consultório junto à Clínica Len de Pediatria. Contato: helotavares@terra.com.br.[/author_info]...
Leia mais

A primeira papinha salgada a gente nunca esquece

Queridos leitores, vocês que me acompanham sabem que sou uma ferrenha defensora do método BLW (DESMAME GUIADO PELO BEBÊ). Nele, a introdução de alimentos na dieta do bebê é feita através de palitos macios de vegetais e frutas, e não se utiliza papas ou sopa. Mas, temos que admitir que não são todas as mães e pediatras que aderem a essa metodologia. Sendo assim, atendendo a muitos pedidos, resolvi dar dicas de como preparar uma papinha caseira e nutritiva. STEP BY STEP A alimentação da criança precisa ser bem planejada para que não haja o risco de faltar qualquer nutriente. O primeiro passo é elaborar um cardápio de acordo com os hábitos da família, fazer uma lista de compras e por último e o mais importante: fazer boas compras e se possível com alimentos orgânicos. A primeira papinha deve ser oferecida ao bebê após o sexto mês e a amamentação deve ser mantida. A introdução de alimentos deve ser feita em pequenas quantidades e com critério para observar possíveis reações alérgicas. Três princípios básicos devem ser considerados no preparo das papas salgadas: a textura, o sabor e o equilíbrio entre os nutrientes. Seguindo as orientações da Sociedade Brasileira de Pediatria, a elaboração da papa deve ser feita com três alimentos de grupos distintos: proteína, carboidrato e hortaliça (esse grupo pode ter mais de um alimento). Para facilitar, preparei tabelas com os grupos de alimentos, quantidades e faixas etárias. Confira: QUANTIDADE ADEQUADA DE ALIMENTOS PARA PAPA SALGADA (6 meses) QUANTIDADE ADEQUADA DE ALIMENTOS PARA PAPA (7 meses – 9 meses) QUANTIDADE ADEQUADA DE ALIMENTOS PARA...
Leia mais

Receita: Nuggets de frango caseiros e saudáveis

Nossa nutri-colunista Helô Tavares preparou uma surpresa para animar as tardes dos pequenos: receita de nuggets caseiros e saudáveis! Dá uma olhada no passo a passo e mão na massa! Rendimento: 20 unidades Tempo de preparo: 20 minutos (mais 25 min para assar) Ingredientes:  - 500g de peito de frango orgânico cortado em cubos - 3 dentes de alho - 1 cebola inteira - Farinha de rosca suficiente para empanar os nuggets - 1 ovo (para empanar) - sal rosa e pimenta do reino a gosto Modo de Preparo:  Em um processador, acrescente o peito de frango junto com o sal, pimenta-do-reino, cebola e os dentes de alho. Bata até formar uma mistura homogênea. Faça o formato de nuggets de acordo com a sua vontade, de preferência no formato dos nuggets industrializados, para obter maior semelhança. Para empanar, separe em dois recipientes distintos: a farinha de rosca e o ovo. Para o frango processado não grudar nos dedos, passe um pouco de margarina nas mãos. Passe o nuggets na farinha de rosca, depois no ovo e depois na farinha de rosca novamente. (Repita esse procedimento duas vezes) Disponha os nuggets em uma assadeira untada com margarina e leve para assar em forno médio (180°C), por 25 minutos, ou até dourar. [author] [author_image]http://babies.constancezahn.com/wp-content/uploads/sites/2/2013/02/heloisa-pacheco-03.jpg[/author_image] [author_info]Heloísa Tavares é nutricionista graduada pelo Centro Universitário São Camilo, especialista em pediatria clínica pelo Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da FMUSP, graduada em pedagogia na Faculdade de Educação da USP e atua há mais de 10 anos em consultório junto à Clínica Len de Pediatria. Contato: helotavares@terra.com.br.[/author_info]...
Leia mais

Como a dieta paleolítica pode ajudar na formação dos hábitos alimentares do bebê

Um tema que está se tornando muito comum nas rodas de conversas do mundo fitness e nos meios de comunicação é a Dieta Paleolítica. Quando ouvimos pela primeira vez a respeito de tal dieta, automaticamente pensamos nos homens primatas que moravam nas cavernas. Será que a dieta de nossos ancestrais é saudável e pode ser usada nos dias de hoje? Será que esse tipo de alimentação traz benefícios para a saúde meu bebê? DIRETO DO TÚNEL DO TEMPO: entendendo a essência da polêmica Dieta Paleolítica Apesar de ter conquistado popularidade recentemente e tendo como maior mentor o professor da Universidade Estadual do Colorado (EUA) Loren Cordain, tal teoria surgiu em um estudo publicado em 1985 no The New England Journal of Medicine. O artigo cientifico argumentava que o genoma humano não teve tempo de se adaptar a alimentos que não faziam parte da nossa dieta antes do advento da agricultura. Segundo seus defensores, a dieta ideal para o homem é aquela praticada pelos nossos ancestrais pré-históricos. Ou seja: devemos comer apenas aquilo que poderíamos caçar, matar, colher ou tirar da terra, como um homem das cavernas. O homem está na Terra há mais de 2 milhões de anos e a agricultura foi desenvolvida há menos de 10 mil anos, o que corresponde a apenas 0,5% do tempo da nossa existência. A agricultura, portanto, é muito recente do ponto de vista evolutivo, e é evidente que estamos geneticamente adaptados à alimentação do período paleolítico, e não à atual. No período paleolítico, os fatores geográficos eram determinantes e diversas dietas eram...
Leia mais

21 ideias criativas para introduzir frutas na alimentação das crianças

A primavera já está batendo na porta e as altas temperaturas que a acompanham pedem uma alimentação mais leve e refrescante! Para ajudar na hora de introduzir as frutas no lanche dos pequenos, fizemos uma seleção divertida e inspiradora. Vem ver! (Fotos: reprodução) Gostou? Veja 10 idéias criativas de lanchinhos para você conquistar seu filho pelo estômago!...
Leia mais

O bê-a-bá das mamadeiras

A Sociedade Brasileira de Pediatria não recomenda o uso de mamadeiras, alertando que as mães que não tenham condições de amamentar seus filhos devem recorrer aos copos desde cedo. No entanto, a mamadeira ainda é o item mais utilizado. E para ajudar na escolha, pedimos para a dra. Patrícia Almeida, fonoaudiologista da Pro Matre Paulista, algumas dicas valiosas para preservar a saúde do bebê. MODELOS E MATERIAIS “Existem as de vidro, plástico e até descartável. Não há regra para o uso de cada uma, o importante é avaliar a necessidade de cada mãe e, de acordo com a escolha, ter atenção aos materiais”, explica a dra. Patrícia. E como os modelos plásticos são os mais usados, ela faz um alerta importante. “Eles devem ser BPA free (Bisfenol A). Desde 01/01/2012, por determinação da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), está proibida a fabricação e comercialização de mamadeiras com a presença desta substância.” Aproveitamos para pedir à nutricionista e nossa colunista dra. Karina Al Assal que esclareça o risco do Bisfenol A. “Diversos estudos mostram que essa substância pode provocar câncer, influenciar a má formação de órgãos masculinos do feto, ser responsável por puberdade precoce em meninas e até causar hiperatividade.” BICOS Os bicos também precisam de cuidados. O mais importante é respeitar o fluxo de alimento que o bebê consegue ingerir em cada fase, e nunca alargar os furos para facilitar a saída do alimento. Isto pode causar sérios riscos de engasgos. Os modelos anti-cólica e refluxo podem ajudar, mas não anulam o risco. "Elas propõem menor ingestão de ar, porém, não há comprovações científicas sobre a eficácia contra o refluxo",...
Leia mais

Cama compartilhada

Se pra gente que é filho é uma delícia tirar um cochilo na cama dos pais, imagine qual a sensação para eles de nos terem por perto. É tão gostosa, que muitas mamães e papais adotam a prática da cama compartilhada - tradicionais em alguns países europeus -  não só durante o dia, mas à noite também. Porém, tal decisão gera muita polêmica no mundo todo, uma vez que até as sociedades médica e psicológica ficam divididas quando o assunto são os benefícios e danos que ela pode causar aos filhos e aos próprios pais. A discussão começa já na Organização Mundial da Saúde, que recomenda, no máximo, que os bebês de até seis meses durmam em berços e carrinhos ao lado da cama dos país, mas nunca com eles. Porém, engana-se quem pensa que a orientação é focada apenas no futuro psicológico dos filhos. "Para um bebê recém-nascido, o grande problema da cama compartilhada é o risco de sufocamento, de hiper aquecimento, de inalar excesso de gás carbônico emitido pela respiração dos pais e de esmagamento", contou em entrevista ao blog, a psicóloga e psicoterapeuta especialista em sono do bebê Renata Soifer Kraiser. Quem defende, diz o que?  Um dos mais famosos defensores da cama compartilhada no mundo é o pediatra espanhol Carlos Gonzáles, autor do livre Besáme Mucho. Segundo ele, dormir com os pais só é um risco nos primeiros três meses, e que os argumentos de quem é contra não fazem sentido. “Alguns dizem que ‘nós temos de ensinar as crianças a dormirem como se deve’. Acontece que a forma normal...
Leia mais

10 maneiras divertidas de servir lanche para as crianças

Quanto mais divertida e animada for a hora do lanche, mais as crianças gostam e se adaptam com a rotina de alimentação. E como é neste momento que eles se familiarizam e até conhecem mais sobre os alimentos, encontrar a melhor forma de introduzir diferentes sabores é muito importante. Para ajudar, separamos aqui 10 idéias criativas de lanchinhos para você conquistar seu filho pelo estômago! (Fotos:...
Leia mais