Casamentos Casa & Decor 15 anos
Topo

Saúde dos pequenos

Exibindo página 3 de 349

Navegue como ou

Rotina do sono do bebê: fuso horário

Patricia Tsukada, da Mommy in Bloom, está com a gente aqui na Baby Bum para falar sobre a rotina do sono do bebê. O bate-papo com as mães acontece hoje e amanhã, das 14h às 16h, então ainda dá tempo de participar (clique aqui para saber mais)! Aproveitando o tema, ela compartilhou com a gente algumas dicas para tornar a transição de fuso horário mais tranquila quando se faz uma viagem internacional com o bebê: 1) Planejar: comece uma semana antes a ajustar a agenda do seu bebê. 2) Adaptar o horário do sono noturno: colocar 15-30 minutos mais tarde a cada noite se você viajar para oeste. Se você planeja viajar para leste, coloque-o para dormir mais cedo. 3) Escolher o horário do vôo: ter em mente o horário de sono do bebê torna a viagem mais fácil e menos prejudicial para a rotina dele. 4) Ajuste gradual: seja flexível com a alimentação e a rotina de sono, pois pode demorar alguns dias para o seu bebê se adaptar. 5) Durante o dia: mantenha o bebê ocupado durante o dia, faça atividades ao ar livre para  ele se acostumar aos poucos com  o fuso horário. 6) Durante a noite: diminua as luzes, mantenha o ritual do sono, adapte o local para se tornar um ambiente familiar e acolhedor. 7) Tranquilizar o bebê: para esta fase de adaptação, traga um brinquedo favorito ou um cobertor para ele se sentir mais seguro. 8) Quando voltar para casa, siga o mesmo roteiro de adaptação do sono noturno e, principalmente, seja flexível...
Leia mais

Icterícia em recém-nascidos

Conhecida popularmente como “amarelão”, a icterícia fisiológica atinge mais de 80% dos recém-nascidos. Abaixo, a neonatologista Dra. Graziela del Ben, do Hospital e Maternidade Rede D’Or São Luiz Itaim, tira dúvidas sobre essa condição. Antes de mais nada, é importante saber que, se controlada, a icterícia não apresenta riscos. Caracterizada por uma coloração nos olhos e na pele do bebê, a doença ocorre devido ao excesso de bilirrubina no sangue. Segundo a Dra. Graziela del Ben, isso ocorre porque, ao nascer, o fígado do bebê ainda está com capacidade limitada para capturar toda a quantidade de bilirrubina produzida. A icterícia começa a se manifestar a partir do segundo dia após o nascimento e pode durar cerca de dez dias, ficando mais amarelada no quinto ou sexto e desaparecendo espontaneamente, geralmente começando por pés, pernas, barriga, tórax e, por último, pelo rosto. Em um primeiro diagnóstico, o médico aperta suavemente o dedo indicador na cabeça e no corpo do bebê para verificar se a área fica amarelada ou se a cor da pele permanece igual. Posteriormente, é realizado o exame de sangue para detectar o nível de bilirrubina presente. De acordo com a neonatologista, é essencial determinar o grau da doença e manter acompanhamento médico após a alta, para que não aumente. Nos casos em que a icterícia não desaparece sozinha, o médico pode indicar a fototerapia, também conhecida como banho de luz. A técnica consiste em colocar o bebê em um aparelho em contato com várias lâmpadas para ajudar a diluir a pigmentação, que será excretada por meio das...
Leia mais

Cuidados com as crianças durante o carnaval

O Carnaval é uma das festas mais celebradas no Brasil, adorada tanto por adultos como por crianças, que também querem aproveitar a data para brincar, dançar e se divertir. “É uma época propícia para elas imaginarem um mundo de fantasias e isso é bastante positivo, pois pode contribuir para torná-las adolescentes e adultos criativos e com raciocínio mais rápido”, afirma o pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz, Dr. Marcelo Reibscheid. Não há restrições para começar a aproveitar a folia, contudo, o especialista aconselha os pais a levarem os filhos a bailes e eventos carnavalescos quando os pequenos já estiverem andando, por volta dos 10 meses a um ano e meio. Nesta idade, já é possível interagir e participar das brincadeiras, promovendo a socialização entre os colegas. “As atividades coletivas fazem com que as crianças sejam mais sociáveis e tenham a oportunidade de adquirir experiências e visões de vida diferentes”, diz o médico. “Elas aprendem também a compartilhar o que têm com outras pessoas, já que geralmente dividem serpentinas e confetes, por exemplo.” Para aproveitar as festividades com segurança e bem-estar, vale atentar-se para alguns pontos: 1. Hidratação: Em virtude do calor e consequente sudorese, é imprescindível beber líquidos no decorrer da festa, como água, leite ou suco. 2. Alimentação: O ideal é ingerir alimentos leves e práticos, como frutas ou mesmo sucos. Mas, como o momento é de descontração, são permitidas guloseimas, como doces e pipocas, desde que sem exagero. 3. Vestuário: Roupas confortáveis dão liberdade de movimento e, por isso, são recomendadas. As fantasias, porém, são as...
Leia mais

O peso ideal da mochila do seu filho

Com a volta às aulas, uma das maiores preocupações dos pais é quanto ao peso da mochila de seus filhos. Por isso, conversamos com a Drª. Eliane Alfani, pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz, que indicou algumas maneiras de deixar a mochila mais leve:  Existe uma estreita relação entre o excesso de peso na mochila com alterações e dores na coluna e modificações no caminhar. Mais que isso: o peso que muitas crianças carregam traz patologias que, com o passar dos anos, tornam-se difíceis de tratar. Em alguns casos, as mochilas pesadas podem até mesmo lesionar as placas de crescimento dos ossos e, no caso das crianças, fazer com que deixem de crescer. Segundo a Drª. Eliane Alfani, "O uso contínuo de mochila  pesada pode levar à dor, desvio de postura e até doenças mais sérias na coluna, como lordose e escoliose". Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 85% das pessoas têm, tiveram ou terão um dia dores nas costas provocadas por problemas de coluna. Mas, poucas pessoas sabem que essa dor pode estar relacionada ao peso da mochila que usou na época da escola. O Ministério da Saúde recomenda que o peso não ultrapasse em mais de 10% o peso da criança, ou seja, uma pessoa de 30 quilos não pode carregar mais do que três quilos de material. Mesmo os pais que têm consciência sobre esse problema, muitas vezes se sentem impotentes para resolvê-lo, na correria do dia a dia escolar. “É comum ouvir pais preocupados ou queixas de crianças, mas na prática, pouco se...
Leia mais

Como aproveitar o verão com o bebê

Com a chegada do verão, as praias se tornam o destino certo das famílias que procuram aproveitar os dias quentes e ensolarados. Mas a diversão não dispensa cuidados com a saúde, principalmente quando se trata dos bebês. jaimefergusonphotography.com De acordo com a pediatra Dra. Camila Reibscheid, do Hospital e Maternidade São Luiz, as mães podem e devem aproveitar a estação com os pequenos, que necessitam de banhos de sol e contato com a família. “É muito importante que os bebês tenham contato com o sol no verão por cerca de 10 ou 15 minutos diários. O sol contribui para o desenvolvimento e crescimento da criança, auxiliando na liberação de vitamina D. Isso pode ser feito durante um passeio pela praia, antes das 10h ou depois das 16h”, destaca. Mesmo com todos os cuidados, a especialista alerta que crianças com menos de seis meses não devem ir à praia. “Além do sistema imunológico ainda não estar preparado, a amamentação na praia não é adequada”. *A Dra. Camila Reibscheid esclarece que amamentar na praia não é proibido, mas também não é o ideal. "Na verdade, até pode, mas tem que tomar cuidado com a higiene. A mãe não pode sair do mar e amamentar, porque a mama está suja, tem protetor solar, tem areia... Ela precisa tomar um banho primeiro. A praia costuma ser um lugar agitado demais, e é aconselhável que a mãe procure um lugar fresco e tranquilo pra amamentar. Quando se tratar de mamadeira, não pode levar leite pronto para a praia, por causa do calor. Tem que...
Leia mais

Diabetes na infância

No Dia Mundial de Combate ao Diabetes (14/11), o Dr. Luis Eduardo Caliari, endocrinologista infantil do Hospital e Maternidade São Luiz, fala sobre diabetes na infância: O diabetes é uma doença caracterizada pelo alto índice de açúcar no sangue, que se dá por alimentação inadequada, obesidade, sedentarismo ou pela inutilização do pâncreas, que impede a produção de insulina pelo organismo. A doença, que segundo o Ministério da Saúde afeta 246 milhões de pessoas no mundo, vem se mostrando cada vez mais presente nas crianças. Segundo o Dr. Luis Eduardo Caliari, “os pais precisam ficar atentos aos sintomas de diabetes na infância, pois se o diabetes não for identificado em até três semanas, fica muito mais difícil controlar a doença”. Diabetes tipo 1 A Federação Internacional de Diabetes (IDF) estima que há crescimento de 3% ao ano no número de crianças em idade pré-escolar com diabetes tipo 1, o mais comum na infância, que tem como consequência a perda total ou quase total de insulina. “A criança tende a desidratar, beber muita água, perder peso rapidamente e urinar muito. Com esses sintomas, é de extrema importância levar a criança ao pronto socorro. Infelizmente, o tratamento costuma ser iniciado tardiamente, já que os pais não pensam na possibilidade de diabetes”, alerta o especialista. Não há como prevenir o diabetes tipo 1, já que essa variação pode ter um caráter genético, mesmo que não existam familiares com esse histórico. Como não existe relação alguma com a alimentação ou outros hábitos da criança, costuma ser desencadeada por um componente ambiental, como o contato...
Leia mais

8 dúvidas comuns sobre sonambulismo

O sonambulismo, transtorno do sono que faz com que pessoas se movimentem ou falem enquanto dormem, costuma despertar muitas dúvidas. Mais comum do que parece, o distúrbio afeta cerca de 20% das crianças entre 3 e 10 anos. Segundo o Dr. Álvaro Pentagna, neurologista do Hospital e Maternidade São Luiz, “os pacientes sonâmbulos frequentemente melhoram com o avanço da idade, mas devem procurar ajuda de um especialista se o problema estiver causando medo e preocupação”. Abaixo, o especialista esclarece as principais dúvidas sobre o assunto: 1. O que é sonambulismo? O sonambulismo é um tipo de parassonia e consiste em comportamentos não esperados ou desagradáveis durante o sono. No quadro, as funções motoras despertam, mas a consciência não, e assim a pessoa interage parcialmente com o ambiente, podendo se mexer muito, falar ou até perambular pela casa durante a noite. 2. Por que ocorre? Pode ser hereditário, mas costuma ter algo que desencadeia – geralmente um barulho, um som ou um estímulo, levando a pessoa a se conectar parcialmente com o ambiente. 3. Em qual estágio do sono ocorre o sonambulismo? Ocorre no estágio não-REM, na primeira das seis passagens noturnas do sono profundo. Na fase REM, os olhos se movimentam rápido e a musculatura relaxa, ficando mais flácida, justamente para não interagirmos com o sonho. 4. É verdade que não se pode acordar alguém durante o sonambulismo? Mito. Na verdade, nessas situações o sonâmbulo pode ter um despertar muito confuso e agitado. O ideal é ir com calma, falar baixo e conduzir a pessoa calmamente até um lugar...
Leia mais

Atividades físicas para cada fase da infância

A prática de atividades físicas, além de contribuir para o desenvolvimento saudável, é uma boa maneira de evitar que as crianças passem tempo demais no computador ou no videogame. Hábitos saudáveis adquiridos desde cedo ajudam a criança a ter uma melhor qualidade de vida quando adulta, prevenindo possíveis doenças causadas pelo sedentarismo. Mas para escolher a melhor opção em cada etapa da vida, é importante ter conhecimento de que há esportes específicos que auxiliam no desenvolvimento biológico, social e físico. Abaixo, o Dr. Fabiano Prata, especialista em ortopedia pediátrica do Hospital e Maternidade São Luiz, indica quais os esportes mais adequados para cada faixa etária. Foto: kids.lovetoknow.com De acordo com o especialista, praticar atividades físicas precisa ser mais uma questão de diversão do que obrigação. É importante que os pais tomem cuidado para não sobrecarregar a criança. Atividades muito pesadas podem causar problemas na formação dos músculos, principalmente na infância, período de crescimento ósseo e amadurecimento biológico. Até completar o primeiro ano de vida É indicado que as atividades básicas sejam caminhar e andar. De 1 a 6 anos A natação é um dos esportes mais indicados, principalmente para os bebês, uma vez que ajuda a trabalhar o sistema respiratório e a melhorar o desenvolvimento motor, o equilíbrio e a postura. Além disso, a criança deve subir e descer escadas e se adaptar aos diferentes terrenos. Entre 6 e 12 Os pais já podem ingressá-la em uma escola de esportes para que ela possa aprender técnicas e regras, verificar suas aptidões físicas e estimular a competitividade. Esportes como vôlei,...
Leia mais

Qual a idade certa para o bebê começar a andar?

Muitas mães se afligem ao ouvir de outras mães que seus bebês já começaram a andar e o seu ainda não. Mas, na maioria das vezes, não há motivos para prepocupações! A fisioterapeuta pediátrica, Dra. Fernanda Davi, especialista em desenvolvimento e reabilitação motora, explica como acontece o desenvolvimento motor da criança: Deixe as comparações de lado O ritmo de desenvolvimento motor na fase de 10 meses a 1 ano e dois meses é muito variável. Ou seja, um bebê pode andar muito antes que outro, sem que isso signifique um atraso neurológico. Não existe criança preguiçosa, cada uma tem seu tempo. "A velocidade não pode ser confundida com inteligência acima da média. No primeiro ano de vida, do ponto de vista motor, a criança desenvolve tudo o que será necessário para a vida adulta, como sentar, andar, comer sozinho, agachar, subir e descer escadas, tomar líquidos fora da mamadeira ou correr. E tudo isso acontece naturalmente". Incentive, mas sem estressar Você pode ajudar a criança a ficar de pé e se posicionar a uma certa distância para que ela se esforce para chegar até você. Usar brinquedos para que o pequeno tente pegá-lo também pode ser um recurso. Mas lembre-se que tudo isso deve ser feito sem estressar a criança e sem pular etapas. "A criança precisa aprender primeiro a sustentar a cabeça e o tronco, depois, então, ela consegue sentar. Ao adquirir  força tanto nos braços como nas perninhas, ela se sente capaz de 'minhocar' e depois engatinhar. Aos poucos, mais segura, ela fica em pé, dá uns...
Leia mais

A importância do teste do pezinho

Não deve ser novidade para nenhuma de nossas leitoras a importância da triagem neonatal, também conhecida como teste do pezinho, um exame simples capaz de detectar doenças como a fenilcetonúria, hipotireoidismo, anemia falciforme e fibrose cística. Mas, aproveitando que o dia 6 de junho é o Dia Nacional do Teste do Pezinho, convidamos a pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz, Alessandra Cavalcante, para falar um pouquinho mais sobre o assunto. Foto: How Done Onde e como fazer o teste do pezinho? Exigido por lei, o teste do pezinho costuma ser realizado na maternidade ou hospital onde o bebê nasceu, entre o terceiro e o sétimo dia de vida, a partir de gotinhas de sangue retiradas do calcanhar. O pé é uma parte do corpo rica em vasos sanguíneos, o material para o exame pode ser colhido em uma única picada, rápida e quase indolor para o recém-nascido. A identificação precoce de qualquer anomalia permite que o tratamento adequado seja prontamente instituído, evitando que a criança sofra danos cerebrais irreversíveis. Assim, é possível começar um tratamento adequado nas primeiras semanas de vida do bebê e evitar consequências graves no futuro. As quatro doenças que, por lei, devem ser identificadas a partir do teste do pezinho: - Fenilcetonúria: uma doença que causa um comprometimento neurológico no desenvolvimento da criança; - Hipotireoidismo congênito: doença que pode levar ao retardamento mental e malformações físicas; - Anemia falciforme: pode levar a alterações em todos os órgãos e sistemas do corpo; - Fibrose Cística: doença que leva à produção de uma grande quantidade de...
Leia mais

Angústias de mãe: cuidados com a virose nessa época do ano

Nesta época do ano, as mudanças bruscas de temperatura e a baixa umidade do ar resultam na proliferação de viroses transmitidas em locais fechados e com grande volume de pessoas. Por terem o sistema imunológico mais frágil, as crianças são diversas vezes afetadas por gripes e resfriados que podem evoluir para quadros mais graves que geralmente acabam com a tranquilidade das mães. Abaixo, a pediatra Alessandra Cavalcante, do Hospital e Maternidade São Luiz, dá algumas dicas de como prevenir e tratar o problema. . Sintomas Febre, mal-estar e diarreias estão entre as complicações mais comuns que se desencadeiam a partir do contato com esses vírus. A doença diarréica aguda, que se manifesta por meio do aumento no número de evacuações, com fezes aquosas ou de pouco consistência, é a síndrome que mais se desenvolve como virose, principalmente em crianças. “Durante a troca de estações é natural receber pacientes com as mesmas queixas. Diarréia, vômito, febre. O quadro dura cerca de 14 dias e é decorrente de dois causadores principais, o RotaVírus e o AdenoVírus. Quando tais vírus estão acompanhados de quadros respiratórios se tornam maioria em internações”, explica. Tratamento O tratamento é sintomático, ou seja, não existe um único medicamento a ser indicado e a hidratação da criança se torna prioridade. “É importante que os pais se mantenham calmos e atentos às mutações da virose. O ideal é ingerir muito líquido, inclusive o soro. Não adianta se preocupar inteiramente com a alimentação, pois a criança perde grande parte do apetite e, dependendo da idade, deve-se tomar cuidado com os...
Leia mais

Cuidados com a pele e o cabelo das crianças no verão

No carnaval, muitas famílias vão viajar para a praia e as crianças, invariavelmente, ficam expostas ao sol. Mas você sabia que o filtro solar não é suficiente para proteger a pele da sua criança? Dr. Marcelo Reibscheid, pediatra do Hospital São Luiz, diz que o uso de bonés e chapéus é tão importante quanto repetir a aplicação do protetor toda vez que a criança sai da água. Os acessórios também servem como protetor não só da pele, mas também dos cabelos, evitando que fiquem muito danificados. Lavar bem a cabeça da criança com xampu neutro logo após a ida à praia ou piscina também ajuda. “É preciso cuidar da higiene pós-sol, para tirar o cloro ou resíduos do mar do corpo e dos cabelos”. Se a criança for passar um dia inteiro entre água e areia, um banho na hora do almoço e outro ao final da tarde é o mais indicado. O sol e o bebê Com crianças de menos de um ano, todo cuidado é pouco. “Eu não libero os pais para levarem as crianças com menos de um ano para a praia ou piscina. Se eles forem mesmo assim, é importante deixá-las até mesmo com roupa”, diz o pediatra. Proteger a pele das crianças com uma camiseta mais larguinha é o ideal, e os pais devem se ater aos horários em que o sol está mais fraco. “Somente entre oito e dez da manhã, ou depois das quatro da tarde”, alerta Reibscheid. O bebê não deve passar mais do que 20 minutos ao sol. Como não é recomendado o uso...
Leia mais

Dentinhos saudáveis

Jack n' Jill é uma marca de pasta de dentes australiana totalmente natural. Os ingrediente são orgânicos e estão disponíveis em sabores deliciosos como banana, morango e amora. Uma opção saudável e gostosa para as crianças. Os produtos da Jack n' Jill podem ser adquiridos no site (e entregues no...
Leia mais

Oftalmopediatria

Você já levou seu filho ao oftalmopediatra? Essa consulta é de extrema importância e muitas vezes é esquecida pelas mamães. Estava conversando com Drª. Cecília Moeller e ela explicou um pouco como funciona a visão de um bebê: O bebê enxerga desde o nascimento, mas tem uma visão de vultos, uma vez que o sistema visual não esta completamente formado. É como se visse o mundo com um vidro embaçado. Tudo depende de treino assim como andar e falar. Por  volta de 1 mês a e meio o bebê já sorri ao ver o rosto do adulto e com 2 meses já é capaz de fixar e seguir objetos com o olhar. Cerca de 90% da visão irá se desenvolver até os 2 anos de idade, mas apenas por volta dos 7 anos a capacidade total de enxergar estará completamente formada, havendo um aprimoramento na acuidade visual, percepção de cores, contrastes e nitidez. Depois dos 7 anos, em média, os problemas não tem mais solução ou os resultados são muitos ruins. É por esse motivo que a primeira consulta oftalmológica deve ser realizada entre 6 meses e 1 ano de idade. Até os 4 anos de idade, o recomendado é visitar o oftalmologista a cada 6 meses e depois deste período critico de desenvolvimento visual, na maioria dos casos, as consultas podem ser anuais. E se a criança vir a precisar de óculos, capriche na escolha da armação!...
Leia mais

Armazenamento das células-tronco

Deixando toda a polêmica em torno da pesquisa de células-tronco embrionárias de lado (já que não é disso que estamos falando), ao que parece, ainda há bastante discussão sobre o armazenamento particular das células-tronco de cordão umbilical. Pensando em todas as expectativas e esperanças nos avanços das pesquisas e dos tratamentos (pois, ao que tudo indica, estão ainda em estágio inicial), o armazenamento é uma "aposta". Uma aposta do tipo "seguro de saúde" -  a gente paga, mas espera nunca precisar usar. Mas é justamente em torno dessa questão - de quem se beneficiaria do tratamento - que gira a polêmica do armazenamento. Segundo a Anvisa, já foram feitos mais de 9.000 transplantes de sangue  utilizando como fonte o sangue de cordão umbilical. Mas foram transplantes alogênicos, ou seja, com sangue de cordão umbilical de terceiros (doadores) armazenados em bancos plúbicos. Transplantes em que doador = paciente (autogênicos), com sangue armazenado em bancos privados, parece que foram pouquíssimos. João Paulo Baccara, coordenador de Política Nacional de Sangue e Hemoderivados, explicou, em reportagem para a revista Época, que "a possibilidade de usar o cordão para a própria criança é mínima: de 1 para 20 mil", porque "a célula-tronco da criança traz todos os eventuais problemas que aquele adulto desejará tratar no futuro.'' Além disso, "o volume de sangue de um cordão é suficiente apenas para um paciente de até 50 quilos, ou seja, pouquíssimos adultos. Nos bancos públicos, podem-se juntar amostras de dois doadores compatíveis'', explica Patrícia Pranke, médica do Laboratório de Células-Tronco e Banco Público de Sangue de Cordão Umbilical...
Leia mais