Casamentos Casa & Decor 15 anos
Topo

Saúde dos pequenos

Exibindo página 2 de 349

Navegue como ou

O bebê está com cólica? Entenda o porquê e como você pode ajudar

Choro que falta até o ar, rostinho vermelho, pernas encolhidas e dedinhos contraídos são alguns dos sinais típicos de que o bebê está com cólica. Para entender melhor porquê muitos sofrem de cólica, e aprender dicas valiosas de como evitar, conversamos com a pediatra do Hospital e Maternidade Santa Joana, dra. Daniela de Melo Gonçalves. Dá uma olhada nas explicações dela: - Quando começam as cólicas do bebê? A cólica do lactente ocorre geralmente depois de duas semanas de vida e pode perdurar até o quarto mês. Normalmente ocorre no final da tarde ou a noite. Por definição, refere-se a um choro súbito, inexplicável e inconsolável, no qual o bebê se estica, fica vermelho, vira a cabeça para os lados com a coxa fletida, e podendo eliminar gases com alguns períodos de pausa. - Por que bebês têm cólicas tão freqüente?  As causas de cólica ainda são controversas. Acredita-se que possa ter uma incoordenação do sistema nervoso autônomo ou neuropático, cuja origem frequente seja mais emocional do que gastrointestinal. Outra hipótese, mais psicoanalítica, é que as cólicas seriam um desajuste no relacionamento mãe-bebê, sendo o corpo utilizado como meio de expressão desse desconforto. Portanto, vemos que a causa não é bem estabelecida, mas parece ter relação com uma relativa imaturidade do bebê, que vai melhorar com o seu crescimento. - Todo bebê tem cólica ou não é uma regra? Não. E nem todo bebê que tem cólica tem relação com o que foi relacionado acima. E um fato importante, que muita gente faz confusão, é que a cólica pode acontecer tanto em bebês alimentados no seio, como os que usam...
Leia mais

Os benefícios da acupuntura para bebês e crianças

Depois de falarmos dos benefícios, indicações e contraindicações da acupuntura na gestação, chegou a hora de abordar a acupuntura para bebês e crianças. Para entender como a técnica medicinal chinesa pode contribuir para a saúde dos pequenos, que vai desde melhora no sono até diminuição de problemas respiratórios e gástricos, conversamos com a fisioterapeuta especialista em ortopedia, RPG e acupuntura Thays Carvalho Simões. Dá uma olhada no que ela explica: - Qualquer criança pode fazer acupuntura? Sim, bebês respondem com muita eficácia os pontos de auriculoterapia, pois os meridianos só estarão totalmente completos quando atinge os 7 ou 8 anos de idade, quando os pontos corporais começam a ser utilizados. - Existe uma idade mínima? Em qualquer fase da vida dos bebês e crianças a acupuntura é bem-vinda. - Quais técnicas são mais recomendadas?  O mais recomendado são técnicas sem agulhas, como cromoterapia e auriculoacupuntura. Todavia, em alguns casos a agulha é utilizada. - Alguma contraindicação? Nenhuma. Independente da técnica, a acupuntura traz benefícios para o seu filho desde o nascimento, como melhora no sono e diminuição de problemas respiratórios e gástricos. - Quais os benefícios que ela traz para um bebê, por exemplo? Muitos beneficios, visto que os bebês ainda possuem seus sistemas em formação e a acupuntura auxilia a reorganização energética e harmonização do sistema. Os problemas mais comuns visto em bebês, como cólica, intestino preso, agitação para dormir e alergias, apresentam ótimos resultados. Já com crianças, a reorganização e harmonização do sistema de meridianos são excelentes para prevenir patologias comuns, como infecções de garganta, otites, alergias, assim como auxiliando em tratamentos dessas doenças. -...
Leia mais

Parto normal x parto humanizado: as principais diferenças

Você sabe as diferenças entre parto normal x parto humanizado?  Será que todo parto humanizado é normal? E será que todo parto humanizado é feito em casa? Estas são algumas das dúvidas que o médico e mestre em obstetrícia e ginecologia pela USP Dr. Wagner Hernandez tirou em entrevista ao blog. Vem ver as explicações que ele nos deu: O QUE É O PARTO HUMANIZADO? A primeira coisa que deve ficar clara é que o chamado "Parto humanizado” não é um tipo de parto. "Parto humanizado” é a maneira na qual a assistência ao parto ocorre da maneira mais natural possível. Praticamente sem nenhuma intervenção, respeitando o processo natural. A nomenclatura “humanizada” no meu modo de ver é inadequada, pois dá a impressão que o parto que não segue todos estes preceitos seria “desumanizado” ou “animalizado”, o que não é real, e na maioria das vezes injusto. QUAIS AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS DELE PARA O PARTO NORMAL? O parto normal é o resultado final. Ou seja, todo parto chamado de humanizado, ou não, que acontecer pela via vaginal será um parto normal. A diferença é como ele será conduzido para que ele aconteça. No parto normal / tradicional (ou "não humanizado”) que segue os ensinamentos da obstetrícia clássica, existem alguns passos feitos muitas vezes de rotina, como por exemplo, romper a bolsa das águas entre 6 e 8 centímetros de dilatação. No parto, chamado humanizado, a bolsa deve estourar espontaneamente ou pode até ocorrer o parto sem a sua rotura. O que deve ficar muito claro é que o parto normal bem assistido, com as intervenções...
Leia mais

Selo do Inmetro passa a ser obrigatório em cadeirão e multa chega a R$ 1,5 milhão

Depois dos berços, chegou a hora do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) aumentar a fiscalização dos cadeirões de crianças. A partir de fevereiro de 2016, o selo do Inmetro passa a ser obrigatório em cadeirão do tipo alta, com ou sem bandeja, e cadeiras de encaixe em mesas. Os modelos que se transformam em outros itens, como cadeira baixa, andador, carrinho, balanço e bebê conforto também precisam da certificação. Com a medida, papais e mamães têm a garantia de que o produto foi "aprovado em questões ligadas à segurança, como o cinto, estrutura e estabilidade, fechamento da cadeira durante o uso, e a presença de materiais que possam ser tóxicos", segundo o Inmetro. A medida prevê multa alta para o comerciante que descumprir a nova recomendação. Como eles tiveram 36 meses para se adaptar às normas de segurança exigidas pelo Inmetro, o valor pode chegar a R$ 1,5 milhão. O papai que presenciar alguma irregularidade pode denunciar à Ouvidoria do Inmetro, pelo telefone 0800 2851818. (Foto: reprodução) Veja também: Inmetro aumento regras de segurança para berços e proíbe grades móveis E mais: Calendário de vacinação infantil sofre mudanças em...
Leia mais

Calendário de Vacinação Infantil sofre mudanças

Atenção papais, tem novidades no calendário de vacinação dos pequenos em 2016. O Ministério da Saúde anunciou no começo deste ano alterações nas dosagens de reforço para vacinas infantis contra meningite e pneumonia. Além de mudanças no sistema vacinação da poliomielite e no número de doses da vacina de HPV. Para ajudar a entender as principais mudanças, colocamos em tópicos por doença: MENINGITE O reforço da vacina meningocócica C (conjugada), que protege as crianças contra a meningite causada pelo meningococo C, que anteriormente era aplicado aos 15 meses, agora passa a ser aplicado aos 12 meses, preferencialmente, podendo ser feito até os quatro anos. Neste caso, as doses iniciais não mudaram e continuam sendo dadas aos três e aos cinco meses. PNEUMONIA A partir de agora, a dose na vacina pneumocócica 10, que protege os pequenos contra a pneumonia, foi reduzida e será aplicada em dois momentos, aos dois e quatro meses, seguida de reforço aos 12 meses - podendo tomar até os quatro anos. No comunicado, o Ministério da Saúde justifica que a diminuição de três para duas doses foi tomada com base em estudos que provam que o novo esquema é tão eficiente quanto o anterior. POLIOMELITE  Não há mudanças em relação às datas de aplicações. O diferencial aqui é que a terceira dose da vacina contra a poliomelite, que era dada por via oral, passa agora a ser injetável. HPV A vacina contra o papiloma vírus humano (HPV), que aplicada em três doses, passa a ter apenas duas vezes no novo calendário de vacinação. Meninas de 9 a 13 anos podem ser vacinadas gratuitamente e...
Leia mais

A primeira papinha salgada a gente nunca esquece

Queridos leitores, vocês que me acompanham sabem que sou uma ferrenha defensora do método BLW (DESMAME GUIADO PELO BEBÊ). Nele, a introdução de alimentos na dieta do bebê é feita através de palitos macios de vegetais e frutas, e não se utiliza papas ou sopa. Mas, temos que admitir que não são todas as mães e pediatras que aderem a essa metodologia. Sendo assim, atendendo a muitos pedidos, resolvi dar dicas de como preparar uma papinha caseira e nutritiva. STEP BY STEP A alimentação da criança precisa ser bem planejada para que não haja o risco de faltar qualquer nutriente. O primeiro passo é elaborar um cardápio de acordo com os hábitos da família, fazer uma lista de compras e por último e o mais importante: fazer boas compras e se possível com alimentos orgânicos. A primeira papinha deve ser oferecida ao bebê após o sexto mês e a amamentação deve ser mantida. A introdução de alimentos deve ser feita em pequenas quantidades e com critério para observar possíveis reações alérgicas. Três princípios básicos devem ser considerados no preparo das papas salgadas: a textura, o sabor e o equilíbrio entre os nutrientes. Seguindo as orientações da Sociedade Brasileira de Pediatria, a elaboração da papa deve ser feita com três alimentos de grupos distintos: proteína, carboidrato e hortaliça (esse grupo pode ter mais de um alimento). Para facilitar, preparei tabelas com os grupos de alimentos, quantidades e faixas etárias. Confira: QUANTIDADE ADEQUADA DE ALIMENTOS PARA PAPA SALGADA (6 meses) QUANTIDADE ADEQUADA DE ALIMENTOS PARA PAPA (7 meses – 9 meses) QUANTIDADE ADEQUADA DE ALIMENTOS PARA...
Leia mais

21 ideias criativas para introduzir frutas na alimentação das crianças

A primavera já está batendo na porta e as altas temperaturas que a acompanham pedem uma alimentação mais leve e refrescante! Para ajudar na hora de introduzir as frutas no lanche dos pequenos, fizemos uma seleção divertida e inspiradora. Vem ver! (Fotos: reprodução) Gostou? Veja 10 idéias criativas de lanchinhos para você conquistar seu filho pelo estômago!...
Leia mais

Cama compartilhada

Se pra gente que é filho é uma delícia tirar um cochilo na cama dos pais, imagine qual a sensação para eles de nos terem por perto. É tão gostosa, que muitas mamães e papais adotam a prática da cama compartilhada - tradicionais em alguns países europeus -  não só durante o dia, mas à noite também. Porém, tal decisão gera muita polêmica no mundo todo, uma vez que até as sociedades médica e psicológica ficam divididas quando o assunto são os benefícios e danos que ela pode causar aos filhos e aos próprios pais. A discussão começa já na Organização Mundial da Saúde, que recomenda, no máximo, que os bebês de até seis meses durmam em berços e carrinhos ao lado da cama dos país, mas nunca com eles. Porém, engana-se quem pensa que a orientação é focada apenas no futuro psicológico dos filhos. "Para um bebê recém-nascido, o grande problema da cama compartilhada é o risco de sufocamento, de hiper aquecimento, de inalar excesso de gás carbônico emitido pela respiração dos pais e de esmagamento", contou em entrevista ao blog, a psicóloga e psicoterapeuta especialista em sono do bebê Renata Soifer Kraiser. Quem defende, diz o que?  Um dos mais famosos defensores da cama compartilhada no mundo é o pediatra espanhol Carlos Gonzáles, autor do livre Besáme Mucho. Segundo ele, dormir com os pais só é um risco nos primeiros três meses, e que os argumentos de quem é contra não fazem sentido. “Alguns dizem que ‘nós temos de ensinar as crianças a dormirem como se deve’. Acontece que a forma normal...
Leia mais

Asma: você sabe o que fazer quando seu filho estiver em crise?

Falta de ar, tosse, chiado no peito e secreção clara, esses são os sintomas mais comuns de que seu filho pode estar com uma crise de asma - doença que atinge cerca de 10 milhões pessoas em todo o País e é uma das principais causas de internações no Sistema Único de Saúde (SUS), segundo o Ministério da Saúde. E entre os principais agravantes, a mudança de temperatura é uma das piores. “Este ano, o frio chegou mais cedo. Em março, já registramos um crescimento de mais de 30% no número de atendimentos a crianças com doenças respiratórias, no pronto-socorro infantil. O índice só diminui quando a temperatura começa a aumentar, ou seja, a partir de setembro, com a chegada da primavera”, conta o pediatra da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, Hamilton Robledo. Sem cura, a asma ainda possui alguns mistérios para os médicos, como a volta do quadro na fase adulta. “Geralmente, a asma brônquica aparece na infância, desaparece na adolescência e retorna na fase adulta. Não se sabe o motivo pelo qual ela costuma melhorar na adolescência, mas isso também não é uma regra. Em determinados casos, ela só aparece na fase adulta”, conta a médica especialista em alergologia e pneumologia, Lelia Josuá. Para ajudar as mães que enfrentam este problema com seus filhos, pedimos ajuda a Dra. Lelia para entender e saber os principais cuidados com os pequenos. Veja abaixo as dicas dela. O QUE É ASMA?  A asma é uma inflamação crônica dos brônquios que leva a uma obstrução da passagem do ar para...
Leia mais

10 truques para criar a rotina de sono do bebê

Criar uma rotina de sono para o bebê nem sempre é tarefa fácil. Mas acredite, o resultado pode ser reconfortante! Abaixo, a Dra. Eduardina Telles Tenenbojm, médica pediatra e psicoterapeuta especialista em sono de bebês, ensina 10 truques para fazer o bebê dormir tranquilamente. Organizar a rotina de sono com horários e práticas repetidos diariamente é a regra de ouro. As crianças são bastante sensíveis aos rituais, às coisas que se repetem. Assim, repita todos os dias, cerca de uma hora antes, atividades como banho, mamada, troca de fralda e cantar uma música enquanto o prepara para adormecer. Tudo isso fora do quarto, com ele ainda acordado. Leve o bebê para o quarto dele quando estiver perto de terminar os rituais, coloque-o no berço, diminua a luminosidade e não embale. Assim, ele perceberá que a repetição lhe trará calma e o relaxamento necessário para adormecer. Não acostume o bebê a dormir ninado no colo, na cama dos pais ou em outro lugar que não seja o berço. O ideal é colocá-lo ainda acordado no berço e ficar ao lado. Independente da idade, o bebê deve entender que você está firme na decisão e, aos poucos, ele irá reconhecer o bercinho como seu local de sono. Naninhas e brinquedinhos transmitem segurança para o bebê e fazem com que ele aprenda a dormir sozinho. O ideal é que o bebê durma no escuro. Mas uma luzinha bem fraca, fora do quarto onde ele está, pode trazer tranquilidade para os pais, e tudo bem. Um ambiente silencioso é importante. Há crianças, assim como adultos, que não se importam muito com barulho na hora de...
Leia mais

Quando e como tirar a chupeta?

O hábito de sucção é um comportamento instintivo e natural para o bebê, iniciado muitas vezes ainda no útero materno. Este reflexo é importante para o desenvolvimento da sua musculatura oral e para sua própria sobrevivência, já que dele depende a amamentação, sua primeira fonte de alimentação. No entanto, com o tempo ele passa a adquirir outro significado, acalmando a criança e gerando uma sensação de conforto, daí a importância da chupeta no início da vida. A chupeta não deve ser totalmente condenada, pois sabemos que ela ajuda bastante os pais no primeiro ano de vida e que os danos trazidos por esse hábito só se tornam irreversíveis se o uso for prolongado. Ao contrário, o hábito de chupar o dedo deve ser desencorajado dede o início, pois cria rapidamente uma relação de dependência por estar facilmente disponível para a criança, trazendo sempre maior dificuldade para ser removido. Tanto o hábito de chupar o dedo quanto a chupeta, conhecidos como sucção não nutritiva, podem trazer sérias consequências no desenvolvimento das arcadas da criança se prolongados além dos 3 anos de idade, interferindo também na fonação e respiração. Não são apenas os dentes que podem ficar mal posicionados (para cima e para frente), o osso da criança é ainda bastante maleável e pode ficar deformado, o que interfere em todo o crescimento e desenvolvimento da face. Felizmente, se removidos até esta idade, essas deformidades podem ser revertidas pela força natural da musculatura dos lábios e da língua, uma vez na posição correta. Por esse motivo, tanto a Associação Brasileira de Odontopediatria quanto...
Leia mais

Alergias: 10 medidas práticas que você deve adotar na sua casa

É fácil saber se seu filho tem predisposição genética a desenvolver alergias respiratórias. Se um dos pais é alérgico, a probabilidade da criançar ser alérgica é de 30 a 40%. Caso os dois sejam alérgicos, essa probabilidade sobe para 70%. Pensando nisso, a Dra. Lelia Josuá, médica especialista em alergologia e pneumologia, fez uma lista de cuidados para amenizar o problema e deixar a casa mais adequada para quem sofre com alergias. Confira 10 dicas para adaptar o ambiente para alérgicos: 1. Ao decorar o quarto do bebê ou criança, invista numa decoração inovadora. Evite cortinas e tapetes, a melhor opção é colocar painéis de PVC, que são fáceis de limpar, e tapetes de borracha; 2. Evite bichinhos de pelúcia. Os ácaros também adoram brincar com eles. Deixe-os ensacados e lave-os de 10 em 10 dias; 3. As poltronas, divãs e almofadas devem ser revestidos com couro ou matéria plástica. Os travesseiros devem ser trocados a cada 6 meses e os colchões de 3 a 5 anos. 4. Troque a roupa de cama de 3 em 3 dias. 5. Passe pano úmido diariamente no chão; 6. A umidade do quarto também é importante. Muito seco irrita a mucosa respiratória e desencadeia os sintomas de rinite alérgica, em compensação, muito úmido favorece o desenvolvimento de fungos, que também provoca alergia. A umidade ideal é em torno de 60%; 7. Elimine toda umidade que pode estar em casa. Resolva as infiltrações e use antimofos em armários e gavetas; 8. Os ácaros também gostam de dormir em um colchão fofinho e num travesseiro gostoso. Por isso, use capas antiácaros...
Leia mais

O teste da Linguinha do ponto de vista do odontopediatra

Olá, mamães! Este mês gostaria de falar com vocês à respeito do Teste da Linguinha, já que em junho fez um ano da aprovação da Lei que o tornou obrigatório em todas os hospitais e maternidades do Brasil. Sim, agora além do teste do pezinho e da orelhinha, temos também o teste da linguinha como protocolo para avaliação do recém-nascido! Ele é simples de ser feito e pode evitar diversas dificuldades futuras. Vamos entender um pouco mais? A chamada “língua presa” (anquiloglossia) ocorre quando o tecido que liga a língua ao assoalho da boca, que deveria desaparecer espontaneamente durante a gestação, permanece até o nascimento do bebê, trazendo limitações ao seu movimento. Muitos acham que pode haver regressão deste tecido conforme o crescimento do bebê, porém isso não é verdade. A sua detecção é importante, pois o freio persistente pode impedir ou dificultar a amamentação, fazendo com que muitas mães desistam deste processo tão importante, às vezes sem nem saber exatamente por que o bebê não está conseguindo mamar. E é por este motivo que o exame deve ser feito ainda na maternidade. O teste é padronizado, baseia-se num sistema de scores, e pode ser feito pelo odontopediatra, médico ou fonoaudiólogo, não havendo contraindicações. Além de verificar sua inserção e espessura, o profissional deve observar o bebê chorando e sugando. Quando a anomalia é evidente, a cirurgia já está indicada, porém em alguns casos mais duvidosos é feito um reteste em aproximadamente 30 dias para que a função possa ser melhor avaliada (tempo necessário para que mãe e bebê...
Leia mais

Teste da Linguinha é obrigatório na maternidade

Desde o fim de 2014, um novo teste chegou às maternidades para dividir as atenções com o já consagrado Teste do Pezinho. Com o nome de Teste da Linguinha, a ideia do diagnístico é conferir se o bebê tem língua presa. É comum algumas mães acharem que o bebê não gosta do seu leite ou que o seu "leite é fraco" (coisa que não existe!) quando, na verdade, o que ocorre é uma dificuldade do bebê na sucção! Além da dificuldade na amamentação e, muitas vezes, o desmame precoce, futuramente a língua presa afeta a mastigação e a fala da criança. Desde o início de 2015, o exame é obrigatório, ou seja, não deixem passar. Para ajudar as futuras mamães, fizemos um guia básico de entendimento. Espero que gostem, afinal, com a saúde dos pequenos não se pode brincar! (Foto: Divulgação/ABRAMO) O que é? O Teste da Linguinha nada mais é que a observação do frênulo (membrana que fica abaixo da língua, que “segura” a mesma ao maxilar) por um especialista/fonoaudiólogo durante as primeiras amamentações. Não dói nada, podem ficar tranquilas. O protocolo do exame é composto pela avaliação anatomofuncional e pela avaliação da sucção não-nutritiva e nutritiva Quando deve ser feito? Na triagem neonatal (nas primeiras 48 horas de vida do bebê), é realizada apenas a avaliação anatomofuncional, que detecta os casos mais sérios de língua presa. Para estes, é possível que o médico indique a micro-cirurgia ainda na maternidade. Nos casos em que há dúvida, o bebê deve ser encaminhado para um reteste com 30 dias de vida....
Leia mais

Os primeiros dentinhos do bebê

Olá, mamães! Tenho percebido que o nascimento dos dentes do bebê é uma das primeiras dúvidas das mamães, até por uma questão cronológica natural: não nos preocupamos muito com a saúde bucal dos pequenos até que nasça o primeiro dente. Por esse motivo, acho que este é um bom assunto para o início desta coluna sobre Odontopediatria! Questões como “Quando nasce o primeiro dentinho? É normal ter febre ou sentir dor? Como higienizar?” são bastante comuns, portanto vamos lá! QUANDO NASCEM OS PRIMEIROS DENTINHOS Os primeiros dentes a irromperem são aqueles que ficam bem no centro da arcada inferior (os incisivos centrais inferiores) e a época para o seu aparecimento é entre 5 e 8 meses. Depois deles, aparecerão os incisivos centrais superiores, seus correspondentes na arcada de cima, entre 6 e 10 meses de idade. A partir de então, até os 2 anos e meio da criança, todos os outros dentinhos surgirão aos poucos até que se completem os 20 dentes de leite, 10 deles no arco superior e 10 no arco inferior. Assim permanecerá a dentição até os 6 anos da criança, quando nasce o primeiro dente permanente. Ao contrário do que muitas mães pensam, ele nasce lá atrás, sem que caia nenhum outro dente. Concomitantemente, os dentinhos da frente embaixo começam a ficar com mobilidade. É interessante saber que, por mais que o bebê nasça sem nenhum dente de leite, estes já começam a se formar ainda na barriga da mãe, no terceiro mês de gravidez. Desta forma, alterações na dentição de leite são bem menos...
Leia mais

Tira dúvidas: Alergias na infância

Alergias de pele podem causar bastante desconforto para o bebê e sua mamãe. Os sintomas e causas são variados, por isso pedimos ajuda à Dra. Carla Vidal para tirar algumas dúvidas sobre os tipos de alergia que podem aparecer nos pequenos e como identificá-las. Quais são as alergias de pele mais comuns em bebês e crianças? Em bebês são comuns as alergias chamadas dermatite de contato e as reações alérgicas medicamentosas. As dermatites de contato são reações a algumas substâncias que entram em contato com a pele e provocam uma lesão restrita ao local de contato. São comuns as reações causadas por xampus, sabonetes, perfumes e também a dermatite de contato das fraldas, na região pubiana e nádegas dos bebês. As reações alérgicas medicamentosas podem ser causadas por analgésicos, antiinflamatórios ou antibióticos. Nos pequenos são comuns as reações alérgicas medicamentosas e um tipo de alergia chamada dermatite atópica: reação alérgica que apresenta componente imunológico, em que a criança começa a apresentar lesões avermelhadas, descamativas e espessas na região das dobras. Quais são os primeiros sinais de alergia de pele? Os primeiros sinais são: vermelhidão, coceira, ardor e lesões cutâneas. As lesões podem ser classificadas em: pápulas, placas, vesículas, exantemas, dependendo do tipo de alergia e da fase em que se encontra. Quais as diferenças entre os tipos de alergia? Existem alergias causadas apenas pela irritação local de alguma substância e alergias causadas através de mecanismos imunológicos. Elas também podem apresentar diferentes quadros clínicos. Qual a diferença entre uma reação alérgica e uma irritação? A reação alérgica pode se apresentar em vários locais do organismo, pois...
Leia mais

Vídeos: rotina do sono do bebê e organização

Durante a Baby Bum 2013.2, nós organizamos dois bate-papos super bacanas voltados para mães! O primeiro foi com Patricia Tsukada, da Mommy in Bloom, que falou sobre a rotina do sono do bebê; o segundo foi com a personal organizer Luciana Morgado, que falou sobre a importância da organização no dia a dia de pais e filhos. O Studio See You registrou os melhores momentos dessas conversas em vídeo. Vale a pena apertar o play! Bate-papo com a Mommy in Bloom: http://vimeo.com/87013817 Bate-papo com Luciana Morgado: http://vimeo.com/87072364 Vídeos: Studio See...
Leia mais

Cuidados com o bebê no verão

O verão está chegando! A estação mais quente do ano é sinônimo de praia e diversão, mas também é importante tomar alguns cuidados! No calor, os bebês podem ficar mais irritados, com dificuldade para dormir durante as sonecas e no sono noturno. Se o bebê já se alimenta de sólidos, pode ficar irritado sentado no cadeirão durante as refeições. Pensando nisso, Patricia Tsukada, da Mommy in Bloom, dá algumas dicas para deixar o bebê mais fresquinho no verão. 1.  Sinais de calor: bebê suando, bochechas vermelhas e sinais de irritação. 2. Roupas: vestir o bebê com uma roupa leve (body manga curta, camiseta regata ou só de fralda). 3.  Berço fresquinho: não deve ter protetor de berço, ursinhos e outros objetos, até por medida de segurança, caso você nunca tenha recebido a orientação. 4. Janelas abertas: para arejador o ambiente e circular o ar. 5.  Ventilador: pode-se usar desde que ele não esteja direcionado diretamente para o bebê, e sempre ligar antes do bebê dormir para arejar o quarto. 6. Umidade do ar: você pode deixar toalha molhada no quarto  para umidificar o ar, pois a evaporação contribui para evitar o ar seco e baixar a temperatura. 7. Piscina ou Praia:  usar protetor solar específico para a pele do bebê. 8. Passeio ao ar livre: usar chápeus ou bonés sem esquecer o protetor solar. 9. Bebês que já se alimentam de sólidos: ofereça muito líquido durante o dia, de preferência água; sucos naturais são bem vindos. 10. Bebês que estão só no aleitamento materno: o intervalo entre as mamadas...
Leia mais