Casamentos Casa & Decor 15 anos

Saúde da mãe

Exibindo página 4 de 449

Navegue como ou

Cremes anti-estrias para gestantes

Na fase gravidez, surge uma preocupação freqüente entre as futuras mamães: as estrias. Temida pela grande maioria das mulheres, os principais locais onde se instalam são nos seios, quadris e abdomens. Conversamos com a dermatologista (e mãe),  Drª Viviane  Nogueira, para que ela pudesse nos indicar bons produtos preventivos e tirar pequenas dúvidas sobre o famoso óleo de amêndoas e produtos manipulados. Cremes indicados 1. Materskin - Biolab | 2. Preventin - Dermage | 3. Hidramamy - Mantecorp   Cuidando Bem da Pele Segundo a Drª Viviane Nogueira, é necessário o uso dos cremes antes, durante e depois da gravidez. Para saber se o creme que você está usando é de boa qualidade e hidrata plenamente a pele, verifique se, ao tomar banho, ele sairá com a água. Assim você notará a durabilidade do produto. Os  principais pontos  aos quais os produtos devem ser aplicados são: barriga, quadris e mamas, evitando a região dos mamilos. Sobre o Óleo de Amêndoas O óleo de amêndoas não possui hidratação passiva, ou seja, ele não tem o poder de penetrabilidade; sua única função é não deixar que a água saia da pele. Todos os cremes citados acima, possuem o óleo de amêndoas, porém quando ele é usado puro, não produz nenhuma hidratação. Sobre Produtos Manipulados A Dra. Viviane acredita que os manipulados são uma questão extremamente delicada e o médico deve confiar muito na farmácia ao indicá-la.  Ela só indica para seus pacientes algo manipulado, quando o produto industrializado não existe no mercado....
Leia mais

4 dicas de alimentação para uma gestação tranqüila

Futura mamãe, seguem aqui algumas dicas para você levar uma gestação leve e feliz. E lembre-se: a alimentação é muito importante para você e seu bebê! - Não fique muitas horas sem comer. Por quê? Quando ficamos muito tempo sem comer, podem piorar as náuseas, pois o estômago vazio libera ácidos que pioram a sensação de enjôo, além de propiciar uma hipoglicemia (queda da glicose no sangue). Isso acarreta ainda mais mal-estar, além de prejudicar o seu bebê. O ideal é que você coma de 3 em 3 horas. - Cuidado com a dose de cafeína ingerida. A cafeína que a mãe consome aumenta a freqüência cardíaca e o metabolismo, o que vai refletir no bebê. Portanto, o ideal é não ingerir excesso de cafeína. Lembre-se de que a cafeína não está somente no café, mas também em chá preto, chá mate, chá verde e refrigerantes. - Não há necessidade de comer por dois. O ideal é que a mãe tenha uma alimentação rica em nutrientes como vitaminas e minerais e não dobrar a dose de calorias. A gestante precisa de somente 300 calorias adicionais da sua rotina alimentar - e não calorias adicionais em chocolate e sim em carboidratos complexos, gorduras saudáveis e proteínas. - Evite o consumo de adoçante. Eles são prejudiciais à saúde do bebê. Cuidado também com produtos que levam adoçantes na sua preparação. Procure o sabor mais natural possível. O excesso de açúcar refinado também pode levar a desordens metabólicas e aumentar gases e cólicas. Até a próxima! Drª Karina Al Assal é nutricionista...
Leia mais

Alimentação na lactação

Querida leitora, você está cansada de saber que o aleitamento materno exclusivo até o sexto mês é super importante para a saúde do seu bebê. Mas já parou para pensar sobre a sua alimentação nesse período? Para garantir a nutrição adequada do seu filho, você, mamãe, deve se alimentar de forma saudável, preenchendo todas as suas necessidades nutricionais. Qualquer deficiência na gestação e na lactação pode trazer conseqüências a você e ao seu pequeno. A lactação é um processo fisiológico, caracterizado pela formação da secreção e excreção do leite. Sua produção é determinada pela ação hormonal no último trimestre da gestação e intensificada quando o aleitamento ocorre efetivamente. O processo de amamentar gasta mais calorias do que durante a gestação, por ser intenso. E existem necessidades nutricionais específicas, como o consumo de carboidratos integrais – fundamental para aumentar a fonte de energia. Não adianta, aqui, consumir açúcar simples e carboidratos refinados, pois estes, além contribuir para o ganho de gordura corporal, são pobres em vitaminas e minerais. Outro grupo alimentar importante é o das proteínas, sempre importantes, pois participam da formação dos hormônios e contribuem com a produção do leite. O ideal é consumir proteínas animais magras e caprichar em proteínas ricas em ômega 3, presentes no salmão, sardinha e anchova. O ômega 3 ajuda no desenvolvimento cognitivo da criança, melhora imunidade e tem ação anti-inflamatória. O consumo de gorduras saudáveis, por sua vez, vai contribuir para uma melhor composição do leite materno. Está presente em azeite de oliva extra virgem, abacate e oleaginosas como castanhas, amêndoas e nozes....
Leia mais

Armazenamento das células-tronco

Deixando toda a polêmica em torno da pesquisa de células-tronco embrionárias de lado (já que não é disso que estamos falando), ao que parece, ainda há bastante discussão sobre o armazenamento particular das células-tronco de cordão umbilical. Pensando em todas as expectativas e esperanças nos avanços das pesquisas e dos tratamentos (pois, ao que tudo indica, estão ainda em estágio inicial), o armazenamento é uma "aposta". Uma aposta do tipo "seguro de saúde" -  a gente paga, mas espera nunca precisar usar. Mas é justamente em torno dessa questão - de quem se beneficiaria do tratamento - que gira a polêmica do armazenamento. Segundo a Anvisa, já foram feitos mais de 9.000 transplantes de sangue  utilizando como fonte o sangue de cordão umbilical. Mas foram transplantes alogênicos, ou seja, com sangue de cordão umbilical de terceiros (doadores) armazenados em bancos plúbicos. Transplantes em que doador = paciente (autogênicos), com sangue armazenado em bancos privados, parece que foram pouquíssimos. João Paulo Baccara, coordenador de Política Nacional de Sangue e Hemoderivados, explicou, em reportagem para a revista Época, que "a possibilidade de usar o cordão para a própria criança é mínima: de 1 para 20 mil", porque "a célula-tronco da criança traz todos os eventuais problemas que aquele adulto desejará tratar no futuro.'' Além disso, "o volume de sangue de um cordão é suficiente apenas para um paciente de até 50 quilos, ou seja, pouquíssimos adultos. Nos bancos públicos, podem-se juntar amostras de dois doadores compatíveis'', explica Patrícia Pranke, médica do Laboratório de Células-Tronco e Banco Público de Sangue de Cordão Umbilical...
Leia mais