Casamentos Casa & Decor 15 anos
Topo

Saúde da mãe

Exibindo página 2 de 249

Navegue como ou

Manchas e estrias na gravidez

Embora já tenha passado dessa fase, vejo várias amigas comentando sobre as diversas alterações no corpo decorrentes da gravidez. Dentre elas, uma das mais citadas, sem dúvida, são as manchas e estrias na pele. Lembro que quase enlouqueci minha dermatologista, a Dra Juliana Macéa (uma das mais competentes de São Paulo, além de amiga de infância), para que ela me passasse todas as dicas. E, como morria de medo de ficar toda manchada e cheia de estrias, segui tudo à risca e achei que funcionou muito! Vejam aqui quais foram os conselhos dela: Quando descobrimos que estamos grávidas é aquele transbordamento de alegria e parece que automaticamente nosso foco muda: deixa de ser a gente e vira aquele bebezinho tão querido. Isso é natural, mas durante a gravidez vale a pena reservar alguns minutos do dia para cuidar da pele, pois as principais reclamações que surgem no pós-parto - estrias e manchas - podem ser minimizadas ou até mesmo evitadas com alguns hábitos simples. ESTRIAS As tão temidas estrias surgem pela distensão da pele que vai acontecendo ao longo da gestação. Existe uma tendência genética para se ter ou não estrias. Curiosamente são mais comuns nas mamães mais jovens e, claro, também em quem ganha mais peso. Como podemos evitá-las? - Evite engordar mais de 13 kgs ao longo da gravidez. - Assim que descobrir que está grávida, comece a usar um bom hidratante. A barriga ainda vai demorar um pouco para crescer mas muitas grávidas já ficam com as mamas muito inchadas logo nas primeiras semanas e as estrias...
Leia mais

Gravidez tardia exige atenção redobrada

Atualmente, cada vez mais mulheres optam por ter filho mais tarde, na maioria dos casos, as prioridades são a carreira e realizações pessoais. Nada mais natural. No entanto, é importante saber que uma gravidez tardia exige cuidados redobrados. Segundo a ginecologista e obstetra Mirna Nakano, da unidade Itaim do Hospital e Maternidade São Luiz, o ideal seria engravidar antes dos 35 anos, já que com o passar tempo a fertilidade vai diminuindo. Com a evolução da medicina, as chances de sucesso em gravidez tardia aumentaram significativamente, mas ainda assim postergar a geração de um filho está associada a um risco maior, visto que complicações podem surgir no decorrer da gestão, como ganho de peso, diabetes, hipertensão arterial, pré-eclâmpsia ou até mesmo malformação do feto. Por esses motivos, Nakano ressalta que a gestante tardia precisa de mais controle e acompanhamento médico constante. “Se estiver acima do peso, também é necessário o acompanhamento de um nutricionista. Já em casos de pressão alta, a atenção deve ser voltada para a retenção de líquidos, e qualquer alteração a paciente deve consultar imediatamente o médico”, complementa a especialista. Tão importante quanto o acompanhamento médico é a saúde e a rotina dessas futuras mamães. Confira abaixo as dicas para uma gravidez mais tranquila: - Faça acompanhamento médico e pré-natal - Alimente-se corretamente de três em três horas - Beba bastante líquido durante o dia - Não fique em pé ou sentada durante muito tempo - Durma cedo - Não faça hora extra no trabalho - Evite ambientes de tensão e situações de estresse - Não...
Leia mais

Teste de DNA fetal no sangue materno

O Dr. Sang Cha, especialista em reprodução humana, fala de um novo teste que deve revolucionar o pré-natal. Nele, já é possível verificar malformações fetais com apenas 10 semanas de gestação. Toda grávida, independente da sua idade, apresenta um pequeno risco do seu bebê ter malformação e/ou anomalias cromossômicas. Por isso, logo após o parto, é comum ouvir a pergunta: o meu bebê é perfeito? As malformações fetais, em sua maioria, independem da idade materna, sendo que a sua ocorrência é ao redor de 3%. Existem algumas condições que aumentam a sua incidência, como o consumo elevador de álcool, uso de medicamentos teratogênicos, exposição a radiações ionizantes, deficiência e ácido fólico, entre outros fatores. O diagnóstico é feito através de ultrassonografia morfológica de primeiro trimestre (12 a 14 semanas) e/ou do segundo trimestre (20 a 24 semanas), que quando realizados por profissionais experientes, chega a identificar 95% das anomalias fetais estruturais. Por outro lado, as anomalias cromossômicas aumentam, na maioria das vezes, com a idade materna, principalmente as trissomias, que são caracterizadas por excesso de cromossommo, senso as mais frequentes a Síndrome de Down, a Síndrome de Edwards e a Síndrome de Patau. Já as monossomias, caracterizadas por falta de cromossomo, independe da idade materna, particularmente a monossomia do cromossomo x (Síndrome de Turner). Muito recentemente, surgiram testes que permitem diagnosticar fetos com alterações cromossomicas, especialmente a Síndrome de Down, através de exame de sangue da grávida, em que o DNA de origem fetal é extraido do sangue materno e analisado por técnicas que identificam sequências gênicas especificas dos...
Leia mais

Alimentos indispensáveis e prejudiciais ao feto

Desde o início da gestação, a futura mamãe deve adotar uma dieta saudável e equilibrada, pois o bebê já necessita de diversos nutrientes que serão essenciais para seu desenvolvimento. De acordo com o ginecologista e obstetra Soubhi Kahhale, do Hospital e Maternidade São Luiz, “é preciso se informar bastante sobre alimentação, pois tudo o que é consumido pela mãe é absorvido pelo feto através do cordão umbilical, que liga a placenta a duas artérias também responsáveis pela transferência de oxigênio, aminoácidos e ferro". Quando o bebê recebe todos os nutrientes e vitaminas necessárias, consequentemente nasce mais saudável e com peso ideal. Veja abaixo, os alimentos indispensáveis e prejudiciais ao feto, segundo o especialista. Alimentos indispensáveis: Proteínas, sais minerais, vitaminas e glicose estão entre os componentes mais importantes para a saúde da criança que irá nascer. Além disso, para evitar a possibilidade de má formação neurológica do feto, a gestante deve incluir em sua dieta o ácido fólico (feijão, ervilha, tomate, brócolis, cogumelo e espinafre são alguns alimentos ricos em ácido fólico) e vitamina do complexo B, presente em folhas escuras e na gema do ovo. Alimentos prejudiciais: O consumo excessivo de cafeína, por exemplo, tem sido um dos alvos principais dos obstetras por ser um estimulante que aumenta o metabolismo e os batimentos cardíacos, deixando o bebê agitado. As carnes cruas também devem ser evitadas devido à toxoplasmose, doença encontrada em um parasita que se hospeda na gestante, podendo resultar em aborto, deficiências neurológicas e visuais. *O especialista destaca ainda que é importante que a gestante cumpra uma dieta...
Leia mais

Cuidados com o melasma durante a gravidez

Muitas mulheres sofrem com melasma durante a gravidez, aquelas manchinhas escuras na face que aparecem principalmente nas maçãs do rosto, na testa, nariz, lábio superior e têmporas. A maquiagem sempre ajuda a disfarçar, mas também dá para evitar o aparecimento das incômodas manchas tomando as devidas precauções. Abaixo, a dermatologista Samar Harati do Hospital e Maternidade São Luiz, dá dicas de como prevenir e tratar o melasma. O que é o melasma e por que ele é tão comum durante a gravidez? Melasma é uma doença crônica, sem cura, que tem 3 causas principais: genética, exposição solar sem uso de fotoprotetores e alteração hormonal. Pode também ser chamada de cloasma, quando ocorre na gravidez, onde é muito frequente devido a alteração hormonal e aumento da melanogênese. Como prevenir o melasma? Usar protetor solar com FPS 30, no mínimo, de duas a três vezes ao dia, reaplicado após sudorese, contato com água e exposição direta ao sol. Além da proteção física feita por chapéus, bonés, sombrinhas e óculos de sol. Como tratar o melasma? Por se tratar de uma doença crônica, o tratamento é amplo e depende da extensão e profundidade do melasma, onde é classificado em epidérmico, dérmico, misto, inaparente. - Cremes clareadores: São mais indicados nos casos em que há predisposição genética ao problema. Podem ser usar ácidos tópicos, como retinóides ou glicólicos, associados a despigmentantes como a hidroquinona, sempre com o acompanhamento de um dermatologista. Os resultados começam a surgir, em média, dois meses após o início do tratamento e a eficácia do tratamento depende da profundidade...
Leia mais

Diabete gestacional

Na gravidez, o corpo da mulher passa por inúmeras modificações hormonais que podem trazer algumas disfunções para o organismo, como a diabete gestacional. Trata-se de uma condição de intolerância aos carboidratos, com graus de intensidade variados. Normalmente, é detectado no início da gestação, podendo ou não persistir após o parto, quando se deve fazer nova avaliação. Veja abaixo como detectar a doença e evitar consequências para o bebê: Segundo o dr. Alex Leite, endocrinologista do Hospital e Maternidade São Luiz, a glândula endócrina localizada no pâncreas, responsável pela produção de insulina, tem como função controlar a quantidade de açúcar no sangue. “Devido às mudanças que ocorrem no organismo da gestante, alguns hormônios podem prejudicar a ação da insulina, dificultando a entrada de glicose nas células. O corpo compensa esse desequilíbrio aumentando a fabricação de insulina, mas quando há uma diminuição desta produção, eleva-se a taxa de açúcar sanguíneo e surge o diabetes gestacional”, afirma o especialista. Fatores de Risco - Idade materna superior a 25 anos; - Baixa estatura; - Presença de hipertensão arterial; - Gordura de localização abdominal; - Presença de parentes de 1º grau com diabete; - Gestações anteriores com bebês muito grandes ou com má-formação; - Aumento excessivo de peso na gravidez atual; - Altura uterina maior do que a esperada para a idade da gestação; - Crescimento acentuado do feto; - Presença de grande quantidade de líquido amniótico. Como detectar: Nas primeiras consultas do pré-natal, a gestante será submetida a um exame de sangue e nele será feita a medição da glicemia de jejum. Se...
Leia mais

Parto em casa

Mulheres de diversas cidades do Brasil, incluindo São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, saíram às ruas nesse fim de semana para lutar pelo direito de decidir se querem ter o parto em casa ou no hospital. O assunto é delicado e tem dividido opiniões de especialistas e mães. Por isso, resolvemos falar um pouquinho sobre o tema e queremos saber a opinião de vocês! Foto: Parenthood and Kids Obstetras a favor do parto domiciliar indicam algumas vantagens, entre elas o fato de a gestante poder escolher a posição e local em que se sente mais confortável (a modelo Gisele Bundchen fez seu parto na banheira de casa, lembram-se?) e de não sofrer o risco de contrair infecção hospitalar. Importante lembrar também que o Brasil é o país campeão em cirurgias cesarianas. Em 2010, as cesárias chegaram a 52% do total de partos, sendo que a Organização Mundial de Saúde recomenda que este percentual não seja superior a 15%. Médicos que se posicionam contra o parto em casa atentam para a possibilidade de uma complicação, como uma hemorragia ou algum problema mais grave. Nestes casos, a gestante precisa ser levada às pressas para o hospital e ser atendida com urgência. Se for uma gravidez de risco, não se pode nem cogitar um parto em casa. Independente de ser contra ou a favor, a discusão trouxe à tona um assunto super importante: a humanização do parto. Isso significa que, seja em casa ou no hospital, os profissionais precisam respeitar, mostrar as opções e dar liberdade às escolhas da mulher, dando-lhe...
Leia mais

Vacinação durante a gravidez

Além de acompanhar o desenvolvimento do bebê através do pré-natal, grávidas precisam de cuidados redobrados! Afinal, a saúde da criança depende inteiramente da saúde da mãe. Abaixo, o infectologista Marco Aurélio Sáfadi, do Hospital e Maternidade São Luiz, indica as vacinas fundamentais para uma gestação saudável. Dupla tipo adulto (dT) Essa é a vacina indicada para todas as gestações pelo Programa Nacional de Imunizações, que protege contra o tétano e difteria. Hepatite B Deve ser tomada como medida de prevenção, mas não como tratamento. Vacina contra gripe A gripe pode atingir as gestantes, levando para quadros de maior gravidade. “Alguns estudos mostram que a gripe tem mais riscos de complicações, especialmente respiratórias, e maior risco de óbitos quando ocorre em gestantes. Quando a gestação chega ao seu último trimestre, essas infecções se tornam ainda mais perigosas”, explica o infectologista. O dr. Marco Aurélio reforça que a vacina contra gripe deve ser aplicada em todas as gestantes, independente do trimestre da gravidez, preferencialmente no outono, estação que antecede a circulação do vírus influenza. Antitetânica No caso das gestantes não vacinadas, a antitetânica é aplicada em duas doses, com intervalo de dois meses entre a primeira e a segunda. “Para proteção da mãe e prevenção do tétano em gestações futuras, é importante a aplicação de uma terceira dose, que deve ser feita quatro meses após a segunda dose. Ela não está disponível na rede pública, mas deve ser considerada, também, para a prevenção de coqueluche”, afirma o dr. Marco Aurélio.   *Apesar do receio das gestantes com algumas medicações, não existem...
Leia mais

As mudanças no corpo durante a gravidez

O corpo de uma grávida passa por muitas mudanças para que esteja totalmente preparado para o parto e, posteriormente, para a amamentação. Além disso, essas modificações são necessárias para a proteção, nutrição e crescimento do feto. Cada mês é caracterizado por um conjunto de sensações ou sintomas, além de novidades com relação ao desenvolvimento do bebê. Para que as futuras mamães entendam e aprendam a lidar com as inúmeras alterações do corpo, o obstetra e ginecologista do Hospital e Maternidade São Luiz, Fúlvio Basso Filho, enumera quais são as principais mudanças a cada trimestre de gestação. Foto: Body Pillow Blog 1º Trimestre | 1ª a 12ª semana - O ritmo cardíaco e respiratório aumentam à medida que mais oxigênio tem que ser levado para o feto e mais dióxido de carbono é exalado. - Ocorre expansão uterina pressionando a bexiga e aumentando a vontade de urinar. - Aumento do tamanho e peso dos seios, além de elevar a sensibilidade logo nas primeiras semanas. As veias das mamas ficam mais aparentes, resultado do maior volume de sangue nessa região. 2º Trimestre | 13ª a 28º semana - Retardamento gástrico provocado pela diminuição das secreções gástricas. Essa diminuição é resultado do relaxamento da musculatura do trato intestinal e tal relaxamento provoca um número menor de evacuações. - Os seios podem formigar e ficar doloridos. - Aumento da pigmentação da pele, principalmente, em áreas como sardas, pintas e mamilos. As gengivas podem se tornar esponjosas devido à ação aumentada dos hormônios. - O refluxo do esôfago pode provocar azia, devido ao relaxamento...
Leia mais

Travesseiro para gestantes

Uma cena que me marcou no filme Plano B, em que a personagem de Jennifer Lopez está grávida, foi o travesseiro corporal com o qual ela dorme! Achei genial!! (e fiquei com vontade de ter um!rs) Com a barriga maior, muitas gestantes têm dificuldade em achar uma boa posição de para dormir. Os especialistas recomendam deitar sempre de lado, de preferência do esquerdo, para evitar a sensação desconfortável de falta de ar. Além disso, recomendam sempre ter um travesseiro extra entre as pernas, na altura do joelho, e outro embaixo da barriga, para a coluna ficar reta, criando um ponto de equilíbrio e evitando sobrecargas. Uma boa quantidade de travesseiros normais pode fazer esse papel, mas o modelo especial para gestantes tem a vantagem de não sair do lugar durante o sono... Embora eu não conheça na prática, me parece bastante prático e confortável.   Foto: Travesseiro gestante da Be Mommy * E vocês, futuras mamães, têm alguma dica para dividir com a gente de como melhorar as horas de...
Leia mais

Cuidados com o cabelo na gestação

A mulher brasileira é conhecida por adorar e cuidar muito bem de seus cabelos! Mas como ficam as madeixas quando chega a gravidez? É permitido pintar os cabelos? Fazer luzes? E a progressiva? Conversarmos com a Drª Samar Harati, dermatologista do Hospital São Luiz, para tirar as principais dúvidas em relação aos cabelos durante a gestação. Ela conta quais são os cuidados que a gestante deve tomar. A boa notícia? A vaidade não precisa ficar totalmente de lado. PRIMEIROS 3 MESES DE GESTAÇÃO "É contraindicado qualquer tipo de produto químico no cabelo, pois é nesse período em que se dá a formação do embrião." DEPOIS DE 3 MESES "A partir do terceiro mês, liberamos as tinturas que não contenham dióxido de chumbo nem óxido de titânio. Autorizamos também as mamães a fazerem luzes e reflexos nos cabelos, além do shampoo tonalizante." PROIBIDOS DURANTE TODA A GESTAÇÃO "Progressiva, todos os tipos de tratamentos que contenham formol e alisamentos definitivos são proibidos durante toda a gestação. Esses tratamentos são proibidos, pois essas substâncias são agressivas, podendo ter absorção sistêmica." O CABELO DURANTE A GESTAÇÃO "Os fios ficam mais bonitos devido ao aumento de hormônios, fator normal durante a gravidez. É a época em que as mulheres ficam mais satisfeitas com seus cabelos." * A Drª Samar Harati lembra ainda que após o parto é natural que aconteça uma queda brusca dos fios. Mas é importante a mulher prestar atenção e procurar um dermatologista em busca de tratamento antes de se auto-medicar com qualquer tipo de vitamina especial ou...
Leia mais

7 atividades físicas para gestantes

O verão está aí e o barrigão de grávida não é desculpa para ficar fora de forma. Além de controlar o peso, os exercícios físicos ajudam a melhorar a postura, evitando dores na coluna e em todo o corpo. Movimentar o corpo também ajuda a prevenir a diabetes gestacional e alivia o estresse e tensões das gestantes. Além disso, libera mais endorfina e traz sensação de bem-estar para a futura mamãe. Com a liberação obstetra, os exercícios podem começar a partir do primeiro trimestre de gravidez. E aí, animada para começar? Para te dar um "empurrãozinho", o Dr. Aléssio Calil Mathias, do Hospital e Maternidade São Luiz, indica sete atividades físicas que podem deixar sua gravidez ainda mais saudável: • MUSCULAÇÃO A modalidade é super indicada, especialmente para mulheres que já a praticavam. Mas não é liberada por todos os médicos e é preciso consultar o ginecologista. Quando bem orientada, a musculação é uma atividade muito interessante, pois fortalece musculaturas responsáveis pelo controle postural. • PILATES O pilates é uma das modalidades mais praticadas pelas mulheres grávidas. No entanto, ao contrário do que se pensa, esta não é uma atividade indicada para mulheres sedentárias antes de engravidar, ou que nunca fizeram pilates antes. A modalidade ajuda no fortalecimento muscular e na região pélvica – importante para o parto normal –, melhora a distribuição do peso corporal, alivia desconfortos lombares e amplia o ganho de força para tarefas do dia a dia. • HIDROGINÁSTICA Esta é ainda a atividade mais indicada pelos médicos. Seus benefícios para as gestantes, principalmente no último trimestre, são diversos,...
Leia mais

Cremes anti-estrias para gestantes

Na fase gravidez, surge uma preocupação freqüente entre as futuras mamães: as estrias. Temida pela grande maioria das mulheres, os principais locais onde se instalam são nos seios, quadris e abdomens. Conversamos com a dermatologista (e mãe),  Drª Viviane  Nogueira, para que ela pudesse nos indicar bons produtos preventivos e tirar pequenas dúvidas sobre o famoso óleo de amêndoas e produtos manipulados. Cremes indicados 1. Materskin - Biolab | 2. Preventin - Dermage | 3. Hidramamy - Mantecorp   Cuidando Bem da Pele Segundo a Drª Viviane Nogueira, é necessário o uso dos cremes antes, durante e depois da gravidez. Para saber se o creme que você está usando é de boa qualidade e hidrata plenamente a pele, verifique se, ao tomar banho, ele sairá com a água. Assim você notará a durabilidade do produto. Os  principais pontos  aos quais os produtos devem ser aplicados são: barriga, quadris e mamas, evitando a região dos mamilos. Sobre o Óleo de Amêndoas O óleo de amêndoas não possui hidratação passiva, ou seja, ele não tem o poder de penetrabilidade; sua única função é não deixar que a água saia da pele. Todos os cremes citados acima, possuem o óleo de amêndoas, porém quando ele é usado puro, não produz nenhuma hidratação. Sobre Produtos Manipulados A Dra. Viviane acredita que os manipulados são uma questão extremamente delicada e o médico deve confiar muito na farmácia ao indicá-la.  Ela só indica para seus pacientes algo manipulado, quando o produto industrializado não existe no mercado....
Leia mais

4 dicas de alimentação para uma gestação tranqüila

Futura mamãe, seguem aqui algumas dicas para você levar uma gestação leve e feliz. E lembre-se: a alimentação é muito importante para você e seu bebê! - Não fique muitas horas sem comer. Por quê? Quando ficamos muito tempo sem comer, podem piorar as náuseas, pois o estômago vazio libera ácidos que pioram a sensação de enjôo, além de propiciar uma hipoglicemia (queda da glicose no sangue). Isso acarreta ainda mais mal-estar, além de prejudicar o seu bebê. O ideal é que você coma de 3 em 3 horas. - Cuidado com a dose de cafeína ingerida. A cafeína que a mãe consome aumenta a freqüência cardíaca e o metabolismo, o que vai refletir no bebê. Portanto, o ideal é não ingerir excesso de cafeína. Lembre-se de que a cafeína não está somente no café, mas também em chá preto, chá mate, chá verde e refrigerantes. - Não há necessidade de comer por dois. O ideal é que a mãe tenha uma alimentação rica em nutrientes como vitaminas e minerais e não dobrar a dose de calorias. A gestante precisa de somente 300 calorias adicionais da sua rotina alimentar - e não calorias adicionais em chocolate e sim em carboidratos complexos, gorduras saudáveis e proteínas. - Evite o consumo de adoçante. Eles são prejudiciais à saúde do bebê. Cuidado também com produtos que levam adoçantes na sua preparação. Procure o sabor mais natural possível. O excesso de açúcar refinado também pode levar a desordens metabólicas e aumentar gases e cólicas. Até a próxima! Drª Karina Al Assal é nutricionista...
Leia mais

Alimentação na lactação

Querida leitora, você está cansada de saber que o aleitamento materno exclusivo até o sexto mês é super importante para a saúde do seu bebê. Mas já parou para pensar sobre a sua alimentação nesse período? Para garantir a nutrição adequada do seu filho, você, mamãe, deve se alimentar de forma saudável, preenchendo todas as suas necessidades nutricionais. Qualquer deficiência na gestação e na lactação pode trazer conseqüências a você e ao seu pequeno. A lactação é um processo fisiológico, caracterizado pela formação da secreção e excreção do leite. Sua produção é determinada pela ação hormonal no último trimestre da gestação e intensificada quando o aleitamento ocorre efetivamente. O processo de amamentar gasta mais calorias do que durante a gestação, por ser intenso. E existem necessidades nutricionais específicas, como o consumo de carboidratos integrais – fundamental para aumentar a fonte de energia. Não adianta, aqui, consumir açúcar simples e carboidratos refinados, pois estes, além contribuir para o ganho de gordura corporal, são pobres em vitaminas e minerais. Outro grupo alimentar importante é o das proteínas, sempre importantes, pois participam da formação dos hormônios e contribuem com a produção do leite. O ideal é consumir proteínas animais magras e caprichar em proteínas ricas em ômega 3, presentes no salmão, sardinha e anchova. O ômega 3 ajuda no desenvolvimento cognitivo da criança, melhora imunidade e tem ação anti-inflamatória. O consumo de gorduras saudáveis, por sua vez, vai contribuir para uma melhor composição do leite materno. Está presente em azeite de oliva extra virgem, abacate e oleaginosas como castanhas, amêndoas e nozes....
Leia mais

Armazenamento das células-tronco

Deixando toda a polêmica em torno da pesquisa de células-tronco embrionárias de lado (já que não é disso que estamos falando), ao que parece, ainda há bastante discussão sobre o armazenamento particular das células-tronco de cordão umbilical. Pensando em todas as expectativas e esperanças nos avanços das pesquisas e dos tratamentos (pois, ao que tudo indica, estão ainda em estágio inicial), o armazenamento é uma "aposta". Uma aposta do tipo "seguro de saúde" -  a gente paga, mas espera nunca precisar usar. Mas é justamente em torno dessa questão - de quem se beneficiaria do tratamento - que gira a polêmica do armazenamento. Segundo a Anvisa, já foram feitos mais de 9.000 transplantes de sangue  utilizando como fonte o sangue de cordão umbilical. Mas foram transplantes alogênicos, ou seja, com sangue de cordão umbilical de terceiros (doadores) armazenados em bancos plúbicos. Transplantes em que doador = paciente (autogênicos), com sangue armazenado em bancos privados, parece que foram pouquíssimos. João Paulo Baccara, coordenador de Política Nacional de Sangue e Hemoderivados, explicou, em reportagem para a revista Época, que "a possibilidade de usar o cordão para a própria criança é mínima: de 1 para 20 mil", porque "a célula-tronco da criança traz todos os eventuais problemas que aquele adulto desejará tratar no futuro.'' Além disso, "o volume de sangue de um cordão é suficiente apenas para um paciente de até 50 quilos, ou seja, pouquíssimos adultos. Nos bancos públicos, podem-se juntar amostras de dois doadores compatíveis'', explica Patrícia Pranke, médica do Laboratório de Células-Tronco e Banco Público de Sangue de Cordão Umbilical...
Leia mais