Casamentos Casa & Decor 15 anos

Educação

Navegue como ou

Etiquetas para baixar, imprimir e personalizar o material escolar

Comprar e organizar o material escolar para o volta às aulas é uma das tarefas que os pequenos mais gostam no começo do ano. Etiquetar os novos livros, cadernos e acessórios é essencial para ninguém perder nada da mochila. Pensando nisso, preparamos etiquetas fofas e personalizadas para você baixar, imprimir e personalizar os itens do seu filho. Os arquivos para download estão disponíveis gratuitamente no nosso Goodies. Por lá, você vai encontrar diversos modelos e em duas formatações diferentes. A folha inteira de etiquetas, que fizemos com base nas medidas fornecidas pela empresa Pimaco, são as seguintes: (Animais - Parte 1): Tamanho da etiqueta 10.1cm X 4cm - Papel A4 (Animais - Parte 2): Tamanho da etiqueta 3.9mm X 101.6mm - Papel Carta (Desenhos - Parte 1): Tamanho da etiqueta 10.1cm X 4cm - Papel A4 (Desenhos - Parte 2): Tamanho da etiqueta 3.9mm X 101.6mm - Papel Carta Também deixamos a arte de uma única etiqueta caso você escolha outra marca de papel e queira, através do software deles, montar sua folha de impressão. (Link para baixar os arquivos: Goodies) Veja também: Aprenda a usar o Youtube Kids para filtrar o conteúdo e controlar o tempo que seu filho passa na internet E mais: 5 origamis de marcadores de página para fazer em...
Leia mais

Entra em vigor a lei que obriga escolas e clubes a combaterem bullying

Uma boa notícia para a educação brasileira! A lei que obriga escolas e clubes a adotarem medidas de combate e prevenção do bullying começou a valer nesta semana. A proposta de lei, publicada no "Diário Oficial da União" em novembro de 2015, foi aprovada e sancionada pela presidente. De acordo com o texto (que vamos colocar na íntegra aqui abaixo), bullying foi definido como: "ato de violência física ou psicológica, intencional e repetitivo que ocorre sem motivação evidente, praticado por indivíduo ou grupo, contra uma ou mais pessoas, com o objetivo de intimidá-la ou agredi-la, causando dor e angústia à vítima." A partir de agora, escolas e clubes devem treinar e capacitar seus docentes e funcionários para implementar ações de prevenção e solução do problema, assim como a orientação de pais e familiares, para identificar vítimas e agressores. E para completar, também é solicitado campanhas educativas fornecendo assistência psicológica, social e jurídica às vítimas e aos agressores. O texto na íntegra está aqui, dá uma olhada: "LEI Nº 13.185, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2015. Vigência Institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying) A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Fica instituído o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying) em todo o território nacional. § 1º No contexto e para os fins desta Lei, considera-se intimidação sistemática (bullying) todo ato de violência física ou psicológica, intencional e repetitivo que ocorre sem motivação evidente, praticado por indivíduo ou grupo, contra uma ou mais pessoas, com o objetivo de intimidá-la ou...
Leia mais

Volta às aulas: materiais escolares para meninas e meninos

A escolha dos materiais escolares é um dos momentos mais gostosos da volta às aulas! Com estampas bonitas e divertidas, eles podem ser um bom incentivo para os pequenos retornarem com tudo à rotina. Estojo, mochila, adesivos, lancheira…veja abaixo nossa seleção para meninas e meninos: 1. Mochila: Paperdolls | 2. Caderno para colorir: Mini Pop | 3. Lancheira: Baú da Lulu | 4.  Estojo: Americanas | 5. Etiquetas personalizadas: TagLab 1. Lancheira: Paperdolls | 2. Mochila: Baú da Lulu | 3. Etiquetas personalizadas: TagLab | 4. Estojo: Americanas | 5. Caderno de desenho: Mini Pop...
Leia mais

O método de ensino montessoriano do Príncipe George

Nessa quarta-feira (6), Kate Middleton e Principe William compartilharam, através do Instagram oficial (@kensingtonroyal), duas fotos do primeiro dia de aula do Príncipe George. Na legenda da imagem, um dado chamou nossa atenção: a escolha do método de ensino montessoriano pelos pais para o pequeno. Para quem não conhece, é uma técnica criada pela médica e pedagoga Maria Montessori, em 1907, na Itália, que sugere propostas práticas e inteligentes para educar as crianças (já falamos sobre ela na decoração do quartinho, veja aqui). Dentre os princípios básicos, defendidos pela educadora, estão o respeito às diferenças individuais e a possibilidade da criança escolher suas atividades, o que cria, naturalmente, uma consciência sobre si mesmos e sobre sua própria educação. Neste método, o professor não dita as regras aos alunos, e sim, observa o comportamento e o desenvolvimento dele, estimulando-o a buscar o saber de forma criativa, prazerosa e lúdica. E como o aprendizado é, prioritariamente, baseado no despertar da curiosidade e da descoberta de cada um, matérias práticas e experimentais fazem parte da grade curricular. De acordo com Maria Montessori, essa busca pelo conhecimento cria futuros adultos ativos e conscientes com o meio em que vivem.  (Foto: Kensington...
Leia mais

O que aprendemos sobre educação dos filhos com Içami Tiba

O psiquiatra, educador e escritor Içami Tiba faleceu em São Paulo no último domingo (2). Autor de mais de 40 livros sobre educação, ele se tornou referência não só para profissionais da área, mas também para pais em busca da melhor maneira de educar seus filhos. Sua visão era considerada moderna e adequada para os dias atuais (apesar de, por vezes, polêmica), sempre mantendo o bom humor e uma linguagem bastante acessível.   Abaixo, mostramos um pouco do legado de Içami Itiba e três de seus principais livros voltados para a educação de crianças e adolescentes. 1. Seja Feliz Meu Filho Talvez o que seja felicidade para nós, pais, não seja felicidade para os filhos. Talvez o que sonhamos para eles não seja aquilo que eles queiram realizar. O importante é darmos a eles os instrumentos e uma estrutura emocional que os ajude a alcançar seus próprios objetivos. Por amor aos filhos, sonhamos e criamos expectativas, e também por amor a eles temos que deixá-los sonhar e ajudá-los a ser o melhor que podem ser. Para isso, não basta apenas amor e boas intenções. São necessárias informações, esclarecimentos, atenção, observação, dedicação e reflexão. Este é o objetivo deste livro. Ele é um convite aos pais apaixonados e bem intencionados a estarem também bem instruídos, podendo ser o melhor pai que podem. Ele nos ajuda a refletir sobre as expectativas que temos em relação aos nossos filhos e como estas podem favorecê-los ou prejudicá-los na construção de sua própria história. 2. Disciplina, limite na medida certa: Novos paradigmas Após 10 anos da data de sua primeira edição,...
Leia mais

Materiais escolares para a voltas às aulas

A escolha dos materiais escolares é um dos momentos mais gostosos da volta às aulas! Com estampas bonitas e divertidas, eles podem ser um bom incentivo para os pequenos retornarem com tudo à rotina. Estojo, mochila, adesivos, lancheira...veja abaixo nossa seleção para meninos e meninas: 1. Estojo: Chria | 2. Livro de adesivos decorativos: Baú da Lulu | 3. Kit de tags e etiquetas: Cartolina Design | 4. Mochila: Bloom Kids | 5. Sanduicheira vintage: Paperdolls .......... 1. Estojo: Paperdolls | 2. Etiquetas para lápis e canetas: TagLab | 3. Mochila: Bloom Kids | 4. Livro de adesivos decorativos: Baú da Lulu | 5. Bento Box: Baú da...
Leia mais

Dicas para definir a escola dos seus filhos

A escola de nossos filhos é a extensão da casa. Justamente por isso é preciso ter muita atenção a vários fatores antes de bater o martelo quanto à matrícula. Os critérios para definir a escolha vão depender da idade de seus filhos, a personalidade dele e os valores que você prioriza. Independente do que te motiva a fazer a escolha, tenha sempre em mente que não existe “a melhor” escola, cada uma das instituições traçam suas linhas de aprendizagem com focos variados. Fazer das tripas coração para pagar a escola mais cara para seus filhos pode ser um tiro no pé, caso a instituição não corresponda ao perfil deles. A melhor maneira de saber se a opção foi acertada é avaliando a aceitação e o desempenho de seu filho no local. Para te ajudar a definir parâmetros para a escolha, vamos te dar algumas dicas de acordo com cada período da vida escolar. PRÉ-ESCOLA Esta é uma fase da vida em que seus filhos precisam de muita atenção e cuidado redobrado. Se seus filhos fazem arte e ficam cheios de energia quando estão em casa, imagina o que pode acontecer quando eles estão rodeados de coleguinhas! Antes de fazer a matrícula, faça uma visita surpresa, em horário de aula, para saber como os professores lidam com as crianças pequenas. Como estão em uma fase mais levadinha, é importante que você avalie se a quantidade de profissionais é suficiente para que seus filhos fiquem bem cuidados. Avalie com cuidado as dependências da escola para saber se o ambiente é colorido...
Leia mais

Em busca da escola perfeita

Nossa! O tempo passa tão rápido! Mal posso acreditar que já estou na busca de uma escolinha para o Pipo. Não imaginava que sentiria tamanho frio na barriga! Embora pareça que, nesta fase, a criança só vai à escola para brincar, é na Educação Infantil que ela, quando bem estimulada, consegue avançar em todas as esferas do desenvolvimento, obtendo ganhos na aprendizagem, na sua capacidade motora, na forma de se relacionar e de trabalhar emoções e sentimentos. É muita responsabilidade, não?! Pois bem. Para facilitar, separei os seguintes pontos que, na minha opinião, merecem ser considerados nessa escolha: 1. Se a escola é autorizada a funcionar pela Secretaria Municipal de Ensino, como garantia de que está em dia com sua estrutura, seu espaço, sua proposta pedagógica e seu corpo docente. 2. Qual a proposta pedagógica da escola. Basicamente, há 4 linhas: a tradicional, a construtivista, a montessoriana e a Waldorf. O ideal é entender qual delas combina mais com a educação que você espera para o seu filho. Mas, independentemente de qual seja, ela deve cumprir o currículo mínimo determinado pelo MEC, quais sejam: trabalhar com linguagem oral e escrita, matemática, natureza e sociedade, movimento, artes e música, além da questão da formação pessoal e social (desenvolvimento da identidade e da autonomia). Se antes o foco da Educação Infantil estava no cuidar, agora está no educar - tendo como meio para isso o “brincar”. 3. Se os valores transmitidos pela escola combinam com os da sua família. Não adianta, por exemplo, colocar a criança em um colégio religioso se...
Leia mais

Volta às aulas: distúrbios de aprendizagem

Com o retorno das crianças às aulas, voltam também as preocupações dos pais em torno do desempenho escolar de seus filhos. É natural que alguns alunos tenham mais facilidade do que outros, mas quando a dificuldade de um aluno deve ser considerada fora do normal? Para identificar as causas do problema, é essencial realizar uma avaliação neuropsicológica o quanto antes. Isso porque, segundo a Dra. Silvana Frizzo, neuropediatra do Hospital e Maternidade São Luiz, “o baixo rendimento escolar pode ser sinal de uma série de distúrbios de aprendizagem, entre eles Dislexia e Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) ou sem Hiperatividade (TDA)”. A especialista explica que a dislexia é, basicamente, uma questão de linguagem. Trata-se de um transtorno mais notado na escrita e na leitura, e por isso mais evidente na fase de alfabetização. A criança pode ter boas notas em matérias exatas, como matemática, mas não consegue compreender a sequência do que é falado ou estabelecer conexões entre uma frase e outra. “Não há medicação para dislexia, a solução é a adaptação curricular – a criança deve ter mais tempo para fazer prova e precisa sentar na frente, por exemplo. A escola precisa estar muito envolvida com o desenvolvimento desse aluno”, destaca. Já o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) ou sem Hiperatividade (TDA) é uma questão comportamental. A criança não consegue focar em nenhuma atividade, mesmo naquelas em que sente prazer, ou não consegue parar quieta (quando há quadro de hiperatividade). Diferente da dislexia, em que as dificuldades se acentuam apenas na escola,...
Leia mais

O peso ideal da mochila do seu filho

Com a volta às aulas, uma das maiores preocupações dos pais é quanto ao peso da mochila de seus filhos. Por isso, conversamos com a Drª. Eliane Alfani, pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz, que indicou algumas maneiras de deixar a mochila mais leve:  Existe uma estreita relação entre o excesso de peso na mochila com alterações e dores na coluna e modificações no caminhar. Mais que isso: o peso que muitas crianças carregam traz patologias que, com o passar dos anos, tornam-se difíceis de tratar. Em alguns casos, as mochilas pesadas podem até mesmo lesionar as placas de crescimento dos ossos e, no caso das crianças, fazer com que deixem de crescer. Segundo a Drª. Eliane Alfani, "O uso contínuo de mochila  pesada pode levar à dor, desvio de postura e até doenças mais sérias na coluna, como lordose e escoliose". Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 85% das pessoas têm, tiveram ou terão um dia dores nas costas provocadas por problemas de coluna. Mas, poucas pessoas sabem que essa dor pode estar relacionada ao peso da mochila que usou na época da escola. O Ministério da Saúde recomenda que o peso não ultrapasse em mais de 10% o peso da criança, ou seja, uma pessoa de 30 quilos não pode carregar mais do que três quilos de material. Mesmo os pais que têm consciência sobre esse problema, muitas vezes se sentem impotentes para resolvê-lo, na correria do dia a dia escolar. “É comum ouvir pais preocupados ou queixas de crianças, mas na prática, pouco se...
Leia mais

Como contornar a resistência da criança no primeiro dia de aula

A pediatra Alessandra Cavalcante, do Hospital e Maternidade São Luiz, dá dicas para os pais contornarem a resistência da criança no primeiro dia de aula. Desde os primeiros dias de vida, a criança desenvolve uma aceitação à rotina que lhe é imposta. Na maioria das vezes, as ações da criança durante o dia são interligadas às da mãe, que impõe horários e regras que contribuem para seu desenvolvimento. A necessidade de inserir a criança na escola é um processo que muda totalmente a rotina com a qual está acostumada. Ter horários diferentes, ver outras pessoas e conviver em um ambiente novo é muito importante, mas a iniciação da criança em uma escola pode se tornar um problema de adaptação não só para ela como também para os pais. Segundo a pediatra Alessandra Cavalcante, do Hospital e Maternidade São Luiz, o processo de adaptação é difícil, principalmente devido às mudanças de rotina. A criança passa a ter novas regras e horários diferentes, que devem ser respeitados pelos pais para que esse momento seja visto com naturalidade. “Nas primeiras semanas é normal que a criança chore, até conhecer bem o ambiente. Muitas vezes o choro não vem no primeiro dia, onde tudo é novidade, e aparece quando a criança percebe que aquela será sua rotina e que novas regras serão estabelecidas”, comenta. No caso dos bebês, que costumam ingressar a partir dos quatro meses na escola, a dificuldade de adaptação é tomada pela mãe. Mas, se for possível, é indicado que a criança entre na escola com dois ou três anos,...
Leia mais

8 dicas para escolher a escola ideal

Aproveitando que logo mais as crianças estão de volta às aulas, preparamos uma série de posts sobre o tema. Para começar, vamos falar um pouco sobre a escolha da escola ideal, uma decisão super difícil para os pais. Veja abaixo as dicas da pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz, Camila Reibscheid. Os valores de uma instituição de ensino comprometida com resultados influenciam diretamente no desenvolvimento da criança, por isso, é extremamente importante saber o que ela poderá oferecer. De acordo com a pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz, Camila Reibscheid, quando a criança se sente interessada pelo ambiente escolar, o entusiasmo para frequentá-la aumenta. O primeiro passo é transmitir confiança e acreditar no poder desta escolha. “Às vezes, é preciso pemanecer um período com a criança na escola e essa adaptação deve ser conjunta entre pais, crianças, professores e funcionários”, explica a pediatra. Os pais devem dar um voto de confiança, sem deixar de fazer todos os questionamentos possíveis. Para ajudar, a pediatra Camila Reibscheid lista oito questões importantes que devem influenciar nessa escolha: 1. Segurança: É importante verificar se a escola possui rampas, se as janelas dos andares superiores têm grades ou telas, se as escadas dispõem de corrimão com grade de proteção e se as tomadas estão protegidas. Também é preciso avaliar se o mobiliário é adequado. 2. Ambiente acolhedor: As crianças entram cada vez mais cedo na escola, com dois anos ou até menos. Nesta fase, ela precisará de estimulação cognitiva e, principalmente, afetiva. Como a mãe não está presente, o colo da professora...
Leia mais