Casamentos Casa & Decor 15 anos
Topo

Amamentação

Navegue como ou

Agosto Dourado: Será que meu leite é fraco?

Depois de reunir as 20 vantagens da amamentação para bebês e mães, muitas nos escreveram questionando sobre a possibilidade do leite ser fraco para o filho. Por isso, a médica pediatra dra. Gabriela Ochoa volta ao site para esclarecer esta dúvida comum entre as mães: NÃO existe leite fraco!!! Todo leite materno é bom e tem propriedades suficientes para alimentar e proteger o bebê. O intervalo entre as mamadas, mais curto no início, faz com que muitas mães interpretem como "leite fraco" e que o bebê está "passando fome". Por insegurança, acabam introduzindo outros tipos de leite. O fato é que os intervalos curtos são totalmente normais já que o estômago do bebê é bem pequeno, impossibilitando que ele fique saciado por um período longo, fazendo-se necessárias as várias mamadas por dia. A mãe precisa acreditar na sua capacidade de amamentar e no seu leite. Deve-se manter tranquila e deixar que o bebê mame livremente, pois com o passar do tempo esses intervalos vão se alongando. As comparações e os palpites de que o leite não está sustentando só atrapalham e deixam as mamães mais ansiosas. Não dê ouvidos, converse com um profissional. Lembrando que quanto mais o bebê sugar, mais as glândulas mamarias irão produzir leite. É o ato da sucção que estimula e mantém a produção de leite. A mama não é "estoque" e sim "fábrica" de leite. O leite vai sendo produzido à medida que o bebê está mamando. Logo que o bebê nasce, as mamas podem ficar bem cheias pois o organismo ainda está se adequando...
Leia mais

Agosto Dourado: 20 vantagens da amamentação para bebês e mães

Após sancionada a lei pela Presidência da República, no dia 12 de abril de 2017, Agosto passou a ser o mês do aleitamento materno, um mês inteirinho pró – amamentação. Uma das intenções do projeto “Agosto Dourado” é intensificar ações de conscientização e esclarecimento sobre a importância do aleitamento materno. “Hoje, as famílias estão muito mais conscientes dos benefícios e das vantagens da amamentação, se comparado com as gerações passadas. O leite materno é muito superior a qualquer outro leite ou fórmula artificial e é o alimento mais perfeito e completo da natureza”, explica médica pediatra dra. Gabriela Ochoa, que reuniu para nós as vantagens da amamentação para o bebê e para a mãe. Mas antes das dicas, vale lembrar que a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Ministério da Saúde (MS), a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Academia Americana de Pediatria (AAP) preconizam o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses e complementado até os 2 anos ou mais. Vantagens da amamentação para o bebê : Fortalecimento do sistema imunológico (a mãe passa anticorpos através do leite, fortalecendo o sistema imune do bebê). Proteção contra diversas infecções, como as respiratórias, otite (ouvido), intestinais, dentre outras. Proteção contra anemia (graças a presença e boa absorção do ferro). Diminuição do risco de desnutrição. Diminuição do risco de contaminação. Diminuição do risco de alergias (alergias alimentares, dentre elas a alergia à proteína do leite de vaca). Proteção contra diarreia. Fortalecimento dos músculos da face e boca, evitando problemas na fala e dentição. Contribuição para o desenvolvimento da criança (cognitivo e...
Leia mais

Doação de leite: mitos e verdades

Assistindo ao programa “Fantástico”, da Globo, desse domingo, vimos a história da Sofia e o quão importante foi para ela receber doações de leite materno. E, depois de algumas sessões de No Ninho que fizemos, percebemos que muitas mamães encontraram dificuldades ou falta de informações para doar. Pensando nisso, lemos bastante sobre o assunto, perguntamos para quem já doou e reunimos em um tira-dúvidas as principais questões e procedimentos para você também conseguir realizar a doação de leite materno sem problema. Vem ver: A DOAÇÃO PODE INTERFERIR NA AMAMENTAÇÃO DO MEU FILHO?  MITO - Pelo contrário. A verdade é que, quanto mais a mãe estimular a produção do leite, mais ela o terá. Assim que a mama é esvaziada, o corpo recebe um sinal para preparar mais. A retirada para doação é uma forma de estímulo e, dessa forma, não faltará para o bebê. O PRAZO DE DOAÇÃO É DE 24H APÓS A RETIRADA?  MITO - O prazo para doar o leite é de 10 dias, contando a partir da primeira retirada. O importante é colocar o pote com o leite no freezer ou no congelador logo depois que tirá-lo. E não esqueça de colocar a data e o horário na tampa para ter certeza de que o doará no prazo correto. HÁ UMA QUANTIDADE MÍNIMA DE LEITE PARA SER DOADO?  MITO – Qualquer quantidade doada é relevante para bebês que estão em UTIs. Um litro de leite materno pode alimentar por um dia até 10 recém-nascidos prematuros. MEU LEITE PODE SER FRACO PARA ALGUM BEBÊ?  MITO - Nenhum...
Leia mais

Amamentação em público: lei prevê multa de R$ 500 para quem proibir

Finalmeeente, na última semana, entrou em vigor a lei que prevê multa de R$ 500 a quem impedir qualquer mãe de amamentar em público. (Meio óbvio, não?) A medida, publicada no Diário Oficial de São Paulo, punirá quaisquer estabelecimentos "destinados a atividades comerciais, culturais, recreativas ou à prestação serviço público ou privado". Ou seja, agora as mães podem ficar tranquilas ao alimentarem seus bebês. E tem mais, o decreto ainda prevê multa dobrada em caso de reincidência. As denúncias devem ser feitas, de forma escrita ou oral, à subprefeitura da região, e não podem ser anônimas. Para quem não se lembra, o projeto de lei é do vereador Aurélio Nomura, e foi sancionado em abril de 2015 pelo prefeito Fernando Haddad. Nos autos do documento, Haddad fez questão de salientar que nenhum estabelecimento precisa ter uma área própria para o aleitamento materno. "Todo estabelecimento localizado no Município de São Paulo deve permitir o aleitamento materno em seu interior, independentemente da existência de áreas segregadas para tal fim. Para fins desta lei, estabelecimento é um local, que pode ser fechado ou aberto, destinado à atividade de comércio, cultural, recreativa ou prestação de serviço público ou privado", ressalta o...
Leia mais

Translactação: uma alternativa para as mães com dificuldades para amamentar

No começo deste mês, Fernanda Gentil compartilhou um texto sobre amamentação em seu Facebook. Nele, a apresentadora da Globo conta que seu leite secou, o que a fez se sentir culpada, e sobre a chegada da mamadeira na rotina do pequeno Gabriel, de dois meses. (o relato completo está aqui). Seu depoimento levantou um grande debate na internet, imagino que muitas de vocês tenham lido. Bom, eu li muuuuita coisa - algumas relevantes e outras nem tanto. Li sobre a pega correta (que já tinha ouvido, em uma palestra sobre o tema, não ser "óbvia" nem para a mãe nem para o bebê), sobre o trabalho de enfermeiras que auxiliam as mães nesse processo (que não necessariamente são encontradas na maternidade), entre outras coisas. Mas de tudo, o que achei mais interessante e uma verdadeira novidade para mim foi a translactação! Com toda a minha ignorância sobre amamentação (apesar de já ter lido um bocado a respeito, ainda não tive a experiência), sempre achei que a mamadeira fosse o único destino para as mães que, por diversos motivos, não conseguissem amamentar seus filhos. Já sabia que a sucção do bebê induzia a produção de leite, mas não entendia até que ponto isso poderia ser poderoso! Por isso, achei que seria importante fazermos um post sobre a sonda de translactação. Encontramos uma mãe que fez uso dela e uma pediatra que explicou melhor o processo. Para começar, vamos à definição: a sonda de translactação é um dispositivo que leva, através de um caninho, o leite de um recipiente ou seringa até o bebê enquanto ele mama o peito. Desta forma, o bebê continua a...
Leia mais

Não se prenda a horários! Respeite o apetite do bebê com a amamentação em livre demanda

Quando me sugeriram para escrever esse post, entrei em pânico ao me lembrar da minha experiência com a amamentação. Sempre achei que por ter o conhecimento técnico e saber da importância dela, amamentaria com muita facilidade meu filho. Ledo engano, a teoria não se aplicou à prática devido a muitos fatores, entre eles, a pressão e a rigidez nos horários das mamadas. Lembro-me como se fosse hoje. Cada pessoa que me visitava na maternidade dava um palpite ou tinha uma dica infalível. "Coma canjica com leite para aumentar o leite; Espere para amamentar, ainda não deu tempo dele sentir fome; Não dê muito colo, ele ficará mal acostumado; Não dê o peito toda hora, você ficará escrava dessa criança; O que você comeu para dar cólica nessa criança?" Com certeza, algumas dessas frases você já deve ter ouvido na sua vida, o que colaborou ainda mais para te confundir. Mas, o que podemos fazer para que esse momento tão importante para construção do vínculo mãe-filho não seja tão traumático? Desmistificando a livre demanda De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o leite materno deve ser oferecido até os 6 meses como o titular da alimentação de um bebê. Depois, ele deve ser mantido, mas aliado com a introdução de novos alimentos, até que a criança complete 2 anos. Há 17 anos, quando meu filho nasceu, se recomendava uma amamentação de 3 em 3 horas. Atualmente, a mais recente cartilha de pediatria publicada pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) revisou antigas recomendações sobre cuidados com os bebês. Entre elas, a que talvez mais...
Leia mais

Minha experiência com a amamentação

Oi, mamães! O tema que escolhi para hoje é muito importante, recebi muitos pedidos para contar como foi minha experiência com a amamentação. Mãe de primeira viagem ou não, sempre surgem dúvidas, né?! Quando o Otávio nasceu, eu era inexperiente, tinha aquela ideia de comerciais de televisão de que tudo seria fácil, mas não foi bem assim. No começo, ia na maternidade pedir ajuda para as enfermeiras, pois tinha dúvidas, como: qual a posição correta para o bebê, o motivo das rachaduras nos mamilos e como seria o desmame. Elas me deram algumas orientações até acabarem as dúvidas. Foi como aprender a andar de bicicleta! Na segunda gravidez, eu já sabia que dores sentiria, como tratar, quais pomadas usar e a posição correta para o Miguel mamar, não precisei pedir mais ajuda. Os meninos não tiveram problemas na adaptação da mamadeira, o Otávio parou de mamar no peito com 6 meses e o Miguel com 5, foi super natural com os dois, acredito que porque eles descobriram que era mais fácil de sugar. Mas já por volta dos 3 meses, meu médico me aconselhou a complementar a amamentação do Miguel com leite misto (leite materno + leite de fórmula) pois o meu leite havia diminuído e o de fórmula ajudaria na alimentação dele. Como tinha que dividir minha atenção com os dois, era mais difícil descansar o tempo necessário, o que para quem não sabe, é tão importante na amamentação quanto beber muita água e se alimentar bem! ( Maria e Miguel ) Falando em alimentação, eu não mudei...
Leia mais

Intolerância ao leite materno: o que fazer?

O leite materno é o alimento mais completo e a principal fonte de nutrição dos recém-nascidos. Imunidade, ganho de peso e melhora no sistema digestivo são alguns dos muitos benefícios que os bebês ganham ao se alimentar exclusivamente dele. Porém, em alguns casos, a criança pode apresentar reações alérgicas ao leite, tendo sintomas parecidos com os de intolerância à lactose. A pediatra Cylmara Gargalak Aziz Silveira, do Hospital e Maternidade São Luiz, explica por que isso acontece e como lidar com o problema. Foto: medicinabih.info Segundo a pediatra Cylmara Gargalak Aziz Silveira, do Hospital e Maternidade São Luiz, a alimentação da mãe é um fator predominante para a saúde do bebê. “Muitas vezes acreditando em mitos, as mulheres consomem alimentos derivados do leite em doses exageradas, pensando que assim produzirão mais leite para a amamentação. Mas os componentes do leite de vaca acabam passando para a criança, por vezes resultando em casos alérgicos”, alerta. Algumas vezes, entretanto, o problema pode ser hereditário. Intolerância x alergia  É importante entender que intolerância e alergia são patologias distintas. "A alergia é o primeiro sinal da intolerância e seus sintomas variam entre cólicas, refluxo, azia e colite (presença de sangue nas fezes), podendo levar a criança a um quadro de anemia. Se não for tratada, a criança não desenvolve sensibilidade às proteínas do leite, gerando a intolerância, que bloqueia a aceitação da glicose do leite pelo organismo". Tratamento O tratamento é feito por meio de uma dieta imposta à mãe. “Principalmente as mães que consomem alimentos muito gordurosos precisam dessa intervenção. Cortamos todos...
Leia mais

Dicas para uma amamentação tranquila

É comum muitas mães sentirem dificuldade de amamentar nos primeiros meses, seja porque o leite começou a secar ou por conta do cansaço e de dores nas mamas. Esses fatores acabam contribuindo para o alto índice de desmame precoce, apesar de os médicos indicarem que o leite materno deve ser o único alimento oferecido ao bebê até que ele complete seis meses de idade. Foto: She Knows Mas quais são as vantagens para o bebê e por que é tão importante amamentar até pelo menos os seis meses? Segundo Luciana Talibeti, ginecologista e obstetra do Hospital e Maternidade São Luiz, o leite materno é a principal fonte de sustento do recém-nascido. “Ele contém nutrientes, enzimas balanceadas, substâncias imunológicas que protegem o bebê e que oferecem tudo o que a criança necessita”, justifica. “O ato de amamentar supre as necessidades emocionais e diminui a ansiedade da mãe e do filho por meio desse primeiro contato pele a pele e olhos nos olhos”. Fora a grande vantagem do vínculo afetivo que o ato de amamentar cria, esse leite ainda protege a criança contra uma infinidade de problemas, como doenças alérgicas, aumenta a sua imunidade, contribui para o ganho de peso e melhora o sistema digestivo. “Sugar o peito é o que estimula a produção do leite e cria imunidade para o corpo do bebê. Começar a mamar desde a sala de parto facilita a descida mais rápida do leite. É importante manter o bebê sempre ao lado da mãe”, orienta a obstetra. Abaixo, Márcia Regina, enfermeira responsável pelo curso de gestantes...
Leia mais

5 acessórios para amamentação

Acessórios que podem auxiliar as mamães durante o período de amamentação: 1. Absorventes para seios - usados para absorver o excesso de leite materno produzido pelos seios durante o período de amamentação: Johnson & Johnson 2. Pomada para seios - previne, protege e trata de forma natural as fissuras mamilares: Lansinoh 3. Conchas protetoras para seios - usadas sob o sutiã para proteger os mamilos de rachaduras e coletar o leite materno que estiver vazando: Philips AVENT 4. Extrator de leite manual: Philips AVENT 5. Almofada anatômica para amamentação:...
Leia mais